sexta-feira, 16 de junho de 2017

Sepultura Endurance celebra 30 anos de resiliência

O documentário é uma celebração da trajetória do Sepultura, que vai da luta para mostrar seu som ao mundo, passando pelas contradições internas, o sucesso e a reconstrução.

 


O Sepultura surgiu na década de 80, em Minas Gerais, e ganhou o mundo, tornando-se uma das mais expressivas bandas de Metal do planeta. Mas, para ocupar esse patamar, foram muitos anos de luta. Em um primeiro momento, para alcançar o sucesso, e, posteriormente, para não deixar com que o grupo fosse enterrado em seu próprio nome.

Contrariando todos os prognósticos, do desafio de fazer Metal no Brasil, o Sepultura foi ganhando espaço com um som visceral, criativo e inovador para o estilo, fundindo elementos e sonoridades brasileiras com os riffs de trash metal. Essa fusão fez do Sepultura uma banda com um som original.

Partiram do álbum Morbid Visions, bastante influenciado por Slayer; passaram por Chaos A.D., onde surgem os primeiros traços de brasilidade; até a consolidação final, em Roots, quando amalgamaram sonoridades de candomblé (muito bem colocados por Carlinhos Brown), cânticos indígenas, atabaques em meio a guitarras em tom mais baixo e uma bateria visceral de Igor.

Com isso, romperam dois paradigmas: um de que as bandas de metal brasileiras poderiam ser muito mais que cópias perfeitas das internacionais e, outro, inexplicável, conseguiu popularizar o gênero entre a juventude dos mais diversos estilos, a ponto de Renato Russo, da Legião Urbana, elogiar os headbangers.

Como bandas não são diferentes de histórias de família, no auge, em 1996, com Roots estourado mundo, eis que os integrantes se desentendem devido à relação de Max Cavalera com a então produtora, e atual esposa, que rompeu os laços entre os integrantes, para proporcionar maior destaque ao vocalista.

O efeito foi devastador: Max abandonou o grupo. Andreas, Igor e Paulo ficaram imersos em um grande vácuo. Sem gravadora, sem o vocalista, sem direção.

Esse é o ponto nevrálgico da história do Sepultura, que poderia ter sido enterrado em si mesmo. Eis o motivo do nome Endurance (resiliência, em tradução ampla), pois era preciso superar a separação e erguer-se da terra arrasada.

Andreas, Igor e Paulo conseguiram criar no vácuo. Selecionaram Derrick para ocupar os vocais, passaram a produzir, compor e a lutar contra a sina de muitas bandas que se esfacelaram por brigas internas. E eles conseguiram.

O documentário não conta com as participações de Max e Igor, não por restrição dos atuais integrantes, mas por negativa dos próprios Cavalera. Mesmo com as baixas, já são 33 anos nos caminhos do mundo, mas o diretor Otavio Juliano, depois de acompanhar a banda por sete anos e pesquisar materiais, fez um recorte dos 30 anos do Sepultura, da origem aos dias atuais.

O documentário é uma celebração da trajetória do Sepultura, que vai da luta para mostrar seu som ao mundo, passando pelas contradições internas, o sucesso e a reconstrução. Conta com depoimentos de Corey Taylor (Slipknot), David Ellefson (Megadeth), João Gordo, Phil Anselmo (Pantera), entre outras lendas do Metal.

Ponto para o diretor Otavio Juliano que não deixou o documentário descambar para o sensacionalismo, explorando as brigas entre os integrantes. Abordou a separação como parte da história, não transformando o documentário em uma oportunidade de lavagem de roupa suja.

Durante a coletiva de imprensa, Andreas Kisser, atual líder e mentor intelectual do Sepultura, deixou bem claro que sempre defendeu que os Cavalera participassem do documentário, no entanto, respeita a posição contrária.

Sepultura Endurance, que está em cartaz nos cinemas nacionais, muito além dos registros históricos, rompe alguns dilemas dos documentários, uma vez que as músicas são como fios condutores, sendo roteiro, transformando o doc em show.

Ótima oportunidade para quem ainda não conhece o vigoroso e criativo som do Sepultura.

SEPULTURA ENDURANCE
Título: Sepultura Endurance (Original)
Ano produção: 2017
Dirigido por: Otavio Juliano
Duração: 100 minutos
Gênero: Documentário
Países de Origem: Brasil
                                                Assista o trailer:



Por: Ricardo Flaitt é jornalista

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Arquivo do blog