quarta-feira, 20 de abril de 2016

Pearl Jam cancela show em cidade norte-americana por boicote a lei anti-LGBT

Variantes Constantes

“A lei HB2, que recentemente foi aprovada, é um desprezível pedaço de legislação que estimula a discriminação contra um grupo inteiro de cidadãos norte-americanos”, escreveu a banda em comunicado 

O Pearl Jam cancelou o show que faria na noite de quarta, 20, na cidade norte-americana de Raleigh, na Carolina do Norte, em protesto contra uma lei recém-aprovada do estado, a HB2, conhecida no país como a “lei do banheiro” (que restringe o acesso de pessoas transexuais a banheiros públicos).

Em um comunicado escrito à mão, e divulgado na última segunda, 18, a banda diz aos fãs: “É com grande ponderação e muito lamento que devemos cancelar o show em Raleigh, na Carolina do Norte, no dia 20 de abril. Isto será decepcionante para aquelas que têm ingressos e você pode ter certeza de que estamos igualmente frustrados pela situação.”

“A lei HB2, que recentemente foi aprovada, é um desprezível pedaço de legislação que estimula a discriminação contra um grupo inteiro de cidadãos norte-americanos”, seguiu o Pearl Jam. “As implicações práticas são elevadas e o impacto negativo nos direitos humanos básicos é profundo.”

A banda ainda disse: “Queremos que os Estados Unidos sejam um lugar onde nenhuma pessoa possa ser rejeitada por causa de quem ela ama e nem possa ser demitida de um emprego por causa de quem ela é.”
O Pearl Jam agora se junta a outros artistas que já haviam boicotado shows na Carolina do Norte, como Bruce Springsteen, Ringo Starr e Boston, devido à controversa lei. Nomes como Mumford & Sons, Cyndi Lauper e Laura Jane Grace usaram os shows deles no estado como plataforma para arrecadar dinheiro para grupos que lutam contra a HB2.

O Peral Jam, além de cancelar o show na Carolina do Norte, vai “se comunicar com grupos locais e provê-los com fundos para ajudá-los a ter progresso no assunto”. O grupo acrescentou: “A lei HB2 interfere nos direitos básicos de pessoas transexuais e acaba com muitas proteções de não discriminação à comunidade de lésbicas, gays, bissexuais e transexuais (LGBT).”
Leia a íntegra do comunicado abaixo.


Horas depois de divulgar o comunicado, o Pearl Jam se apresentou em Virginia Beach, na Virgínea, na última segunda, 18. Antes do primeiro bis da apresentação, Eddie Vedder fez um discurso voltado à plateia, explicando a decisão da banda de boicotar o show na Carolina do Norte.

“Pensamos em pegar o dinheiro e dar a eles e mesmo assim fazer o show, mas a realidade é que não há nada como o imenso poder de fazer um boicote e colocar alguma pressão”, disse o vocalista. “É uma pena porque algumas pessoas que serão afetadas não merecem isso, mas esta pode ser a maneira que definitivamente vai provocar alguma mudança.”

Quando Vedder mencionou a lei HB2, que provocou o cancelamento do show, a plateia começou a vaiar. “Daqui [do palco] não consigo dizer se vocês estão vaiando a Carolina do Norte ou se estão nos vaiando por termos decidido que não vamos tocar lá”, comentou o vocalista. “[Se for o segundo caso] Eu entenderia também.”

O Pearl Jam dedicou a primeira música do bis, uma cover de “I Am a Patriot”, de Steven Van Zandt, aos “soldados da comunidade LGBT”. Van Zandt, assim como Springsteen e Starr, similarmente cancelou uma apresentação agendada na cidade de Greensboro, na Carolina do Norte, em protesto à HB2.

Vedder encerrou pedindo desculpas: “Desculpamo-nos àqueles e Raleigh, desculpamo-nos àqueles que vão a Raleigh, desculpamo-nos aos cidadãos locais que provavelmente acreditam no mesmo que nós. Eles têm uma razão para ficarem putos, e nós estamos putos também. Mas vamos ficar putos com as pessoas certas e os fazer mudar de ideia, porque eles cometeram um erro, um grande erro, e podem consertá-lo.”
Assista a um vídeo com parte do discurso de Vedder e a performance de “I Am a Patriot”.

 
 No último fim de semana, o Pearl Jam tocou em Greenville, na Carolina do Sul, e entregou uma surpresa aos fãs: tocou na íntegra o segundo álbum da banda, Vs., lançado em 1993, pela primeira vez na história do grupo. Eles já haviam feito isso com outros álbuns anteriormente: em outubro de 2014, tocaram Yield (1998) e No Code (1996) inteiros ao vivo, respectivamente em Milwaukee, em Wisconsin, e Moline, em Illinois (todos nos EUA).
 
 
Fonte: Rolling Stone Brasil
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Arquivo do blog