segunda-feira, 29 de fevereiro de 2016

Rolling Stones em SP: É só Rock n' Roll e quem precisa de mais?

Rolling Stones em São Paulo, no sábado

Você consegue imaginar 68 mil pessoas gritando maravilhadas com um senhor de 72 anos e sua banda de rock? Foi exatamente isso o que aconteceu na noite desse sábado, no Estádio do Morumbi durante o show dos Rolling Stones, o segundo da turnê Olé na cidade.

O céu parcialmente nublado do sábado acolheu aos poucos os grupos de pessoas - famílias, casais, jovens ou nem tanto - que chegavam aos poucos no Estádio e congestionavam cada vez mais a região do Morumbi, em São Paulo.

Dando lugar 'pros gringo entrar'

Mas antes dos ingleses, a plateia contou com uma atração de aquecimento: os Titãs. O grupo, também veterano de estrada, apostou num repertório de sucessos que contou com "AA UU", "Comida", "Cabeça Dinossauro" e "Homem Primata", de um total de 13 músicas.

A sempre instigante "Polícia" foi precedida pela marchinha "Acorda, Maria Bonita" à capela e terminou com um verso de "Fardado" ("Você também é explorado, fardado!"), canção do mais recente disco - afinal a polícia não pode ser vista como a encarnação de todo o mal, policial também é gente.

A animada apresentação levantou o público, fez todo mundo cantar junto e encerrou com "Aluga-se", do Raul Seixas, e os sugestivos versos: "Vamo embora, dar lugar pros gringo entrar".


It' only Rock n' Roll, but I like it!

Mostrando que ser rock n' roll é chegar aos 72 anos em cima do palco, Mick Jagger cantou e dançou praticamente durante todas as mais de duas horas de apresentação desde "Jumping Jack Flash" que abriu a noite. O único momento em que não esteve no palco foi durante as duas faixas cantadas por Keith Richards, "Slipping Away" e "Before they make me run". O pique e o bom humor desse senhor que já pode ser bisavô não apenas contagiam, como causam certa inveja: será que vamos chegar a essa idade tão bem assim?

Os guitarristas Keith Richards e Ron Wood são menos agitados em suas performances, mas também transpiram uma energia de vida incrível. O baterista Charlie Watts, como esperado, é o mais comedido: discreto no visual, nos trejeitos e no modo de tocar. Nem por isso deixou de ser alvo de uma piada de Jagger: foi apresentado pelo vocalista como "a rainha da Bossa Nova" - em português mesmo.

Jagger falou diversas vezes com o público em português: frases curtas, mas que alegraram os fãs, mostrando a preocupação da banda em se aproximar do público - mesmo que a banda não tenha, a essa altura, a menor necessidade de provar nada ou conquistar ninguém. Show dos Rolling Stones é jogo ganho para todos: para a banda, para o público, para os produtores.

Até para os vendedores de capa de chuva houve ganho: eles aproveitaram a ameaça das nuvens cinzentas para fazer um troco. Por sorte, choveu apenas durante uns 15 minutos: começou em "Gimme Shelter" (mas pouca gente correu para um abrigo), continuou em "Start Me Up" e parou no meio de "Sympathy for the Devil" - talvez por um efeito de dança da chuva ao contrário. Depois ainda caiu uma garoa fina, mas apenas por alguns minutos.

Por falar em "Sympathy for the Devil", os telões que a banda monta nas laterais do palco são impressionantes. Gigantescos, permitem que mesmo o cara sentado na arquibancada do lado oposto acompanhe o show como se estivesse perto do palco. Para introduzir essa música, os telões trouxeram ilustrações temáticas: cruzes invertidas, pentagramas, um bode e uma representação do próprio "man of wealth and taste", como diz a letra da canção. Jagger entrou no palco encarnando aquele que rouba a fé e a alma dos homens com uma capa preta de plumas vermelhas.

Com um repertório certeiro (veja imagem abaixo), ainda que, obviamente, sempre vá faltar essa ou aquela que o fã gostaria de ter visto e ouvido ao vivo, o show encerrou às 23h20 com a batida e ao mesmo tempo maravilhosa "(I can't get no) Satisfaction".

 
 
 
Fonte: Território da Musica

VEJA TAMBÉM:  




sexta-feira, 26 de fevereiro de 2016

Um obituário artístico do Ultraje, antes que seja tarde

 Roger Rocha Moreira - Foto: Wikipédia

A mídia tem explorado bastante nos últimos dias o que seria uma polêmica em relação ao tratamento dispensado ao Ultraje a Rigor por parte da plateia e pelo staff dos Rolling Stones. Em um resumo bem grosseiro, o Ultraje foi abrir o show dos Stones no Rio, alguém na plateia chamou Roger Rocha Moreira de “coxinha” – melhor definição, a meu ver, inexiste – e o educadíssimo bandleader dedicou “Filho da Puta” depois de soltar um enigmático “vocês vão cair”.

Mais tarde, alegou ter sido tratado como “lixo” pelo staff dos Stones. Houve gente séria que comprou a versão de Roger no princípio da fofoca de coxia, mas aí foi olhar mais atentamente o histórico de um e de outro e percebeu que tinha coisa estranha na parada.

Os shows dos Rolling Stones no Brasil já foram abertos por ícones do rock nacional como Rita Lee, Barão Vermelho, Cássia Eller e Titãs. Até o monumental Bob Dylan abriu apresentações dos Stones por aqui.
E não havia relatos, até agora, de maus-tratos sem que houvesse provocação, seja por parte da banda inglesa, seja por seu staff.

Já Roger tem em seu histórico coisas como o “migué” dado na abertura de um show de Peter Gabriel no SWU. Num contraponto interessante, o cineasta Carlos Gerbase, ex-batera do Replicantes, relatou a experiência de sua banda ao abrir um show do Ultraje nos anos 1980.

A falsa polêmica comprada pela mídia ao menos serviu para o grande público descobrir – ou relembrar – que uma das bandas mais promissoras dos anos 1980 não consegue, há quase 30 anos, espaço em jornais, revistas, rádios, TVs ou internet por causa de sua música. O Ultraje a Rigor transformou-se em um cadáver ambulante que, por algum descuido coletivo, não foi sepultado com dignidade. A reportagem aqui decidiu então fazer um último esforço e publicar aqui o obituário artístico do Ultraje a Rigor.

O primeiro disco do Ultraje, “Nós Vamos Invadir Sua Praia”, saiu em 1985 com estrondoso sucesso. Era o primeiro redespertar do rock nacional. Salvo engano, todas as músicas do disco entraram nas paradas. Feito similar ao do RPM, a grande febre da juventude oitentista nacional. No ano em que o Brasil vivia o fim de uma ditadura civil-militar de mais de duas décadas, as letras de Roger chamaram a atenção pela irreverência, em uma época em que era cool dobrar a censura, que seria formalmente extinta apenas com a Constituição cidadã de 1988, esta mesma que garante as liberdades e os direitos de hoje e que alguns setores mais conservadores vêm tentando rasgar.

“Nós Vamos Invadir Sua Praia” é um discaço. Essencial em qualquer discoteca básica de rock nacional. O mais bacana para mim eram as guitarras de Carlo Bartolini, mais conhecido como Carlinhos. Rock é guitarra e o Ultraje tinha um dos melhores. Poucas vezes se viu no rock nacional um guitarrista com tanto bom gosto. Quem ouvir mais atentamente o disco vai perceber que Carlinhos tinha o timbre certo para cada ocasião, sem contar a excelente técnica e os belos arranjos.

Dois anos depois, veio “Sexo!!”. Outro sucesso estrondoso. Ainda que não tenha conseguido o mesmo feito do primeiro disco, “Sexo!!” emplacou vários hits além da faixa título. Um deles, “Pelado”, virou abertura de novela global, o máximo que um artista brasileiro podia almejar no Brasil dos Anos 1980.

Começou então o declínio. Carlinhos tinha saído da banda e, apesar de sucedido pelo também brilhante Sérgio Serra, a fonte de criatividade de Roger secou e a banda começou a cambalear. O terceiro trabalho, “Crescendo”, de 1989, emplacou duas músicas: “Filho da Puta” e “O Chiclete”. Mas não tinha mais a novidade, a mesma criatividade nem o mesmo apelo dos dois bons discos anteriores. Era o trabalho de uma banda com um contrato a cumprir com a gravadora e que precisava desovar a produção.

Depois disso os integrantes da banda foram saindo, as formações foram mudando e, ainda que tenha abrigado de excelentes músicos no decorrer dos anos, o Ultraje transformou-se num projeto pessoal de Roger. Pelas letras, é possível dizer que o líder do Ultraje envelheceu – como, aliás, acontece a todo ser humano -, mas não amadureceu. De 1989 em diante, Roger não produziu mais nada digno de nota. Nada disso, entretanto, desmerece a importância de Roger e do Ultraje para o rock brasileiro. Fazia parte do processo.

Até que, com o advento das redes sociais, Roger Rocha Moreira abdicou da posição de lenda viva do rock nacional e conseguiu, assim como Lobão, mais notoriedade pela exposição de opiniões ultrarreacionárias do que pela boa música que no passado teve o mérito de produzir. Deu vida própria ao “Rebelde Sem Causa”, ao reacionarismo assumido em “Eu Gosto de Mulher”, ao complexo de vira-latas evidente em “Inútil” e passou a enxergar comunistas embaixo da cama e dentro do armário.

Musicalmente, Roger parou no tempo. Ideologicamente, permaneceu na Guerra Fria. Por fim, transformou seu projeto pessoal em banda de apoio de um talkshow conduzido por um neofascista descontrolado. E antes que ele consiga transformar o Ultraje em uma nota de rodapé na história do rock nacional, nós prestamos  aqui sua singela homenagem.
Descanse em paz!



Com informações do Roque Reverso

Avantasia: novo álbum na lista dos mais vendidos de 17 países

O novo álbum do Avantasia, Ghostlights, que acaba de ser lançado no Brasil pela Voice Music/Nuclear Blast Brasil, entrou nos charts de simplesmente 17 países em seu lançamento.

Tobias Sammet, vocalista, compositor e idealizador do projeto publicou em seu Facebook um agradecimento a todos os fãs que estão apoiando o novo trabalho “Obrigado – melhores fãs do mundo! Não consigo expressar o quão feliz e orgulhoso estou! Já passei por muita coisa, mas até agora nunca tinha entrado nas paradas em 17 países em 3 continentes simultaneamente! WOW!”

O disco entrou nas listas de países como Alemanha, EUA, Japão, Suécia, Canadá, entre muitos outros. No Brasil não está sendo diferente, e a versão especial numerada já está no topo das vendas das principais lojas especializadas. Você pode adquirir a sua cópia na RB NetStore (aqui).

Ainda falando em Brasil, o Avantasia tem um show programado para o país em abril, mais precisamente no dia 24, no Espaço das Américas – São Paulo capital.

Ghostlights, assim como já se tornou padrão nos lançamentos do Avantasia, uniu em suas faixas alguns dos maiores nomes do rock e metal mundial: Geoff Tate, Dee Snider, Michael Kiske, Sharon Den Adel, Marco Hietala e muitos outros.






 Fonte: Metal Media

terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2016

Roger diz que foi tratado como lixo pela equipe dos Stones

 Imagem
Logo após o show dos Rolling Stones neste sábado (20), no Rio de Janeiro, o líder do Ultraje a Rigor, Roger Moreira, reclamou através de seu perfil no Twitter que teria sido "tratado como lixo" pelo gerente e pela equipe de produção dos Stones.

"O gerente de palco dos Rolling Stones me deram [sic] 10 minutos para sair do Maracanã. Fomos tratados como lixo o tempo todo. Nunca mais", tuitou Roger, que completou: "Rolling Stones são foda, mas equipe importada, estou fora. Nós somos lixo para eles".

Após expor o incidente nas redes sociais, o vocalista recebeu um pedido de desculpas e comentou: "Fico feliz em dizer que o Crew Manager dos Stones veio pedir desculpas. Não se trata de humilhar ninguém, trata-se de não aceitar humilhação", afirmou.

Tudo aconteceu quando  Roger Moreira, o vocalista e líder do Ultraje a Rigor, bateu boca com parte do público no show de abertura dos Rolling Stones no Rio de Janeiro.

A apresentação do Ultraje, que teve seu início atrasado por conta da forte chuva que caiu neste sábado (20) no Rio de Janeiro, começou com o clássico "Inútil". Ao fim da primeira música, Roger foi vaiado e chamado de "coxinha" por parte do público da área VIP, e reagiu.

"Vocês vão cair. Coxinha é a mãe de vocês", disse Roger, mostrando o dedo médio para o público e tomando seus críticos como apoiadores do governo Dilma e do PT, de quem o vocalista do Ultraje é um notório opositor.

"Essa música vai pra essa galera aí", avisou o vocalista antes de tocar a música "Filha da Puta", mais um clássico da banda. Ao fim da canção, Roger ainda gritou: "ladrão, corrupto, safado".

Após o show, o vocalista minimizou o episódio por meio do seu perfil no Twitter, explicando que foi algo isolado. "Não foi a plateia, foi um babaca que estava me xingando. Eu não levo desaforo pra casa."





Informações: Whiplash.net

Judas Priest: lançará novo CD/DVD ao vivo “Battle Cry” em março

 
O Judas Priest lançará um novo CD/DVD/Blu-ray ao vivo, intitulado Battle Cry, no dia 25 de março via Epic Records. O trabalho foi gravado na apresentação do grupo na edição do ano passado do festival alemão Wacken Open Air, no dia 1 de agosto.

O DVD/Blu-ray contará com três faixas bônus, que foram gravadas na Polônia em dezembro de 2015. Confira abaixo a capa, o track listing completo e o teaser de Battle Cry:


CD:
01. (Intro) Battle Cry
02. Dragonaut
03. Metal Gods
04. Devil's Child
05. Victim Of Changes
06. Halls Of Valhalla
07. Redeemer Of Souls
08. Beyond The Realms Of Death
09. Jawbreaker
10. Breaking The Law
11. Hell Bent For Leather
12. The Hellion
13. Electric Eye
14. You've Got Another Thing Coming
15. Painkiller

DVD/Blu-ray:
01. (Intro) Battle Cry
02. Dragonaut
03. Metal Gods
04. Devil's Child
05. Victim Of Changes
06. Halls Of Valhalla
07. Turbo Lover
08. Redeemer Of Souls
09. Beyond The Realms of Death
10. Jawbreaker
11. Breaking the Law
12. Hell Bent For Leather
13. The Hellion
14. Electric Eye
15. You've Got Another Thing Coming
16. Painkiller
17. Living After Midnight
18. Screaming For Vengeance (faixa bônus)
19. The Rage (faixa bônus)
20. Desert Plains (faixa bônus)

 




Fonte: Judas Priest / Rock Brigade

domingo, 21 de fevereiro de 2016

Show dos Rolling Stones no Rio de Janeiro tem emoção no palco e na plateia

Keith Richard ganhou ovação de dois minutos e Mick Jagger falou português e soltou até um "tá favorável" no palco


Parecia mesmo uma despedida. A abertura do braço brasileiro da Olé Tour, dos Rolling Stones, neste sábado, 20, no Estádio Maracanã, trouxe emoção desbragada para os 60 mil fãs do grupo que foram até lá: fosse na lembrança da balada “Angie”, no fato de Mick Jagger preferir se comunicar quase o tempo todo em português, ou então nos quase dois minutos de ovação para um tímido Keith Richards, na hora em que Jagger apresentou os integrantes.


Sim, foi um showzaço, com pelo menos uma novidade no setlist (“Doom and Gloom”, música recente e pouco lembrada). A apresentação passou por algumas falhas técnicas e um atraso – prevista para 21h30, começou vinte minutos depois por causa de problemas no telão, que falharia em outros momentos posteriormente. De qualquer forma, virou catarse assim que o grupo soltou os primeiros acordes de "Start Me Up", logo na abertura. Depois, viria "It's Only Rock N’ Roll (But I Like It)", bem diferente, com cara mais de rhythm and blues e uma levada mais reta, como se a ideia fosse apagar da música as características dadas a ela por Mick Taylor, guitarrista da gravação original.


Jagger, sempre arriscando palavrinhas no idioma local, e que brincou dizendo "tá favorável" (referência à letra do hit do MC Bin Laden "Tá Tranquilo, Tá Favorável") antes de "Honky Tonk Women", afirmou estar sentindo "um calor do caralho", apresentou o guitarrista Ron Wood como "o mais novo mascote das Olimpíadas" e impressionou com seu fôlego, tendo tomado o primeiro gole de água apenas na sétima música, "Angie", com Keith e Ron Wood em momento acústico. Outra surpresa foi "Paint It Black", cheia de dramaticidade e com Wood tocando cítara. Além de cantar e dançar o tempo todo, o frontman mostrou seu lado músico tocando gaita e guitarra em músicas como “Miss You”, durante a qual se segurou no instrumento por um bom tempo, enquanto Keith Richards saía e voltava para o palco.


Quem mais se destacou na guitarra foi Ron Wood, em improvisos como os de "Midnight Rambler" (que durou quase 15 minutos, como de costume nos shows do grupo). Richards ficou com o papel de diretor de harmonia, inserindo seus famosos riffs, servindo de ponte entre Jagger e o resto da banda e mostrando a história do rock para todos os espectadores. Pareceu emocionado ao ser homenageado pelo público, que por sua vez se emocionou quando ele lembrou a dolorida "You Got the Silver" (1969), feita para sua então namorada Anita Pallenberg. Charlie Watts, tocando um kit de bateria simplificadíssimo, continua impressionando pela classe aliada ao vigor em músicas como "Jumpin’ Jack Flash", "(I Can Get No) Satisfaction" (que encerrou a noite) e na já citada "Start Me Up".


Seguindo o que estava sendo feito no resto da turnê, os Stones deram quatro opções de músicas para os cariocas escolherem em uma votação e, de forma pouco surpreendente, o público optou pela mais conhecida "Like a Rolling Stone", de Bob Dylan, limando "Live with Me", "Shattered" e "All Down the Line". Mantiveram a tradição de chamar um coral local e convidaram o Coral da Pontifícia Universidade Católica do Rio para dividir as atenções em "You Can't Always Get What You Want", que ganhou um improviso quase rockabilly no final. O clichê "os velhinhos estão com tudo" permanece valendo: muitas canções ganharam improvisos e codas surpreendentes, com Jagger indo até a passarela e fazendo questão de incluir o público na brincadeira.


Dos músicos de apoio, quem mais merece destaque é Darryl Jones, baixista que está com o grupo desde 1993. Ele mostrou impressionantes solinhos e muito groove em músicas como "Miss You". Sasha Allen, vocalista norte-americana que chegou a participar de uma edição do reality de competição The Voice, é satisfatória e graciosa, e parece não se tensionar quando é desafiada por Mick Jagger – foi ela quem ficou responsável pelos históricos vocais femininos de "Gimme Shelter", com direito a coreografia.
A turnê Olé conta ainda com mais três apresentações no Brasil. Veja mais informações abaixo.


Rolling Stones – Olé Tour 2016
São Paulo
24 (quarta) e 27 de fevereiro (sábado), às 21h
Estádio do Morumbi - Praça Roberto Gomes Pedrosa, 1
Informações: www.ticketsforfun.com.br e http://premier.ticketsforfun.com.br/shows/show.aspx?sh=pdv

Porto Alegre
2 de março (quarta), às 21h
Estádio Beira-Rio - Av. Padre Cacique, 891
Informações: www.ticketsforfun.com.br e http://premier.ticketsforfun.com.br/shows/show.aspx?sh=pdv 



Fonte: Rolling Stone Brasil

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2016

Iron Maiden: Uma espiada e uma stalkeada no Ed Force One


Falta pouco mais de um mês para o Iron Maiden desembarcar no Brasil para mais uma turnê. E enquanto espera com o ingresso na mão - lembrando que em São Paulo o show está esgotado - que tal dar uma espiada no avião da banda? E acompanhá-lo em tempo real?


O novo Ed Force One

O Iron Maiden irá viajar o mundo a bordo do Ed Force One, um boeing 747 customizado e pilotado pelo vocalista Bruce Dickinson. A banda já tem um avião próprio desde 2008, mas para a atual turnê, que divulga o disco "The Book of Souls", o Ed Force One está em sua terceira versão, ainda maior. O 747 customizado decola no próximo dia 23 de fevereiro, com o primeiro show da turnê acontecendo no dia seguinte na Flórida, EUA.

Bruce Dickinson comentou as vantagens do 747, que vão além do tamanho: "Não foi preciso fazer tantas modificações como no 757, como os fãs puderam ver no DVD 'Flight 666' (...) Tudo que foi preciso fazer, foi pintar o avião e mover alguns bancos, com a vantagem de que há muito mais espaço para a banda e a equipe". Comparado ao 757, o novo Ed Force One é também mais rápido e não haverá necessidade de fazer tantos reabastecimentos de combustível como antes.



Uma espiada e uma stalkeada

No vídeo abaixo, dá para ver como está no novo Ed Force One (apenas por fora) e nesse link você acompanha os voos do Ed Force One em tempo real.


 A turnê

O Iron Maiden se apresenta no Brasil nos dias 17, 19, 22, 24 e 26 de março. Veja mais detalhes sobre as apresentações que acontecem por aqui:

17/03/2016 - Rio de Janeiro/RJ
HSBC Arena - Avenida Embaixador Abelardo Bueno, 3401
Horário: 19h00
Ingressos: de R$ 220,00 a R$ 600,00 (valores inteiros)
Vendas online: www.livepass.com.br
Classificação etária: 16 anos

19/03/2016 - Belo Horizonte/MG
Esplanada do Mineirão - Avenida Antônio Abrahão Caram, 1001
Horário: 19h00
Ingressos: de R$ 250,00 a R$ 570,00 (valores inteiros)
Vendas online: www.livepass.com.br
Classificação etária: 16 anos

22/03/2016 - Brasilia/DF
Ginásio Nilson Nelson - Srpn Trecho 1
Horário: 19h00
Ingressos: de R$ 200,00 a R$ 500,00 (valores inteiros)
Vendas online: www.livepass.com.br
Classificação etária: 16 anos

24/03/2016 - Fortaleza/CE
Arena do Centro de Formação Olímpica - Av. Alberto Craveiro
Horário: 19h00
Ingressos: de R$ 100,00 a R$ 620,00 (valores inteiros)
Vendas online: www.livepass.com.br
Classificação etária: 16 anos

26/03/2016 - São Paulo/SP
Allianz Parque - Rua Turiassu, 1840
Horário: 19h00
Ingressos: ESGOTADOS 



Fonte: Território da Musica

Sepultura fará 2 shows em SP para público seleto no Sesc Pompeia no fim de março

 Sepultura em SP - Cartaz de Divulgação
O Sepultura realizará dois shows para um público seleto em São Paulo no fim de março. Eterno orgulho nacional, a banda brasileira se apresentará nos dias 26 e 27 de março no Sesc Pompeia, tradicionalíssimo espaço cultural e de lazer paulistano.

Os shows serão realizados na Comedoria do Sesc Pompeia. A capacidade deste espaço é de apenas 800 pessoas, o que fará com que poucos felizardos tenham a experiência de ver o grupo muito de perto.

Quem conhece a história do Sepultura, sabe que a banda já tocou para multidões e espaços grandiosos no mundo inteiro. Sabe também que o grupo nunca teve frescura para tocar em espaços menores e menos badalados, apesar da fama que possui.

No caso do Sesc Pompeia, além da quantidade pequena de ingressos, o valor das entradas chama a atenção por ser algo bem mais barato do que o normal para shows atualmente.

Os ingressos inteiros custarão R$ 50,00, mas há a opção de valores ainda mais em conta, como o de R$ 25,00 (para estudantes, maiores de 60 anos, aposentados, servidores de escola pública e pessoas com deficiência) e o de R$ 15,00 (para os trabalhadores do comércio de bens, serviços e turismo matriculados no Sesc e seus respectivos dependentes).

O período de vendas online começa no dia 15 de março. Nas unidades do Sesc, a venda terá início no dia 16 de março.

Com forte ligação com a capital paulista, o Sepultura sempre arranja datas na agenda para tocar na cidade. Na mais recente apresentação em solo paulistano, a banda comemorou 30 anos de existência num show memorável no Audio Club em junho de 2015.



Fonte: Rock Reverso

Rolling Stones abrem enquete para público escolher música a ser tocada no Rio de Janeiro

Cover de Bob Dylan, “Like A Rolling Stone”, “Shattered”, “All Down The Line” e “Live With Me” estão na lista disponível no site da banda

 The Rolling Stones

Assim como vêm fazendo em toda a extensão latino-americana da Olé Tour, os Rolling Stones abriram nesta quinta, 18, uma enquete no site oficial da banda para o público escolher uma canção a ser tocada no próximo show do grupo. Desta vez, é possível votar na música que estará no setlist da apresentação no Rio de Janeiro, este fim de semana.


Quando o quarteto britânico subir ao palco no estádio do Maracanã, às 21h do próximo sábado, 20, eles poderão tocar a cover de Bob Dylan, “Like A Rolling Stone”, a clássica faixa de Some Girls (1974) “Shattered”, a blueseira “All Down The Line” (de Exile on Main St., de 1972) ou “Live With Me” (de Let It Bleed, 1969).

“Na primeira parada [dos Stones no Brasil], a banda tocará no estádio do Maracanã, este sábado, 20 de fevereiro”, diz o site do grupo de Mick Jagger e Keith Richards. “A banda gostaria que os fãs escolhessem uma música que eles pudessem incluir no setlist.”


O site dá as quatro opções de músicas e ainda sugere que os fãs tuítem a canção dos Stones favorita deles com a hashtag #StonesRio (não há indício de que os britânicos vão tocar as mais citadas no Twitter, mas a rede social pode servir como termômetro para a montagem do setlist da apresentação). “Vemos vocês nos shows, é bom estar de volta!”, encerra o texto.

Acesse este link para votar na enquete do show dos Rolling Stones no Rio de Janeiro.
Já no Brasil, os Stones desembarcaram na capital fluminense no Aeroporto do Galeão, na última quarta-feira, 17, mesma data em que supostamente estiveram em uma festa na casa da produtora Paula Lavigne. Caetano Veloso, também aparentemente na festa, chegou a tirar uma foto – publicada no Instagram de Paula – com Jagger.

Após tocar três vezes na Argentina, Jagger, Richards, Ron Wood e Charlie Watts seguiram para Montevidéu, no Uruguai, onde se apresentaram na última terça, 16. A banda britânica deu início à extensão latino-americana da Olé Tour 2016 no último dia 2 de fevereiro, em Santiago, no Chile. Na ocasião, a faixa “She's a Rainbow” – raridade do psicodélico disco Their Satanic Majesties Request (1967) – foi escolhida pelo público chileno na enquete do site deles, e apresentada pela primeira vez desde 1998.


Foi a primeira vez em 20 anos que a banda subiu ao palco em Santiago. Depois de passar por Buenos Aires e Montevidéu, os Stones ainda tocarão em Lima, Bogotá e Cidade do México. No Brasil, tocam no Rio de Janeiro e seguem depois para São Paulo (dias 24 e 27, no Estádio do Morumbi) e Porto Alegre (onde encerram a excursão brasileira, em 2 de março, no Estádio Beira-Rio).

Rolling Stones – Olé Tour 2016

Rio de Janeiro
20 de fevereiro (sábado), às 21h30
Estádio do Maracanã - Rua Professor Eurico Rabelo
R$ 260 a R$ 900
Informações: www.ticketsforfun.com.br e http://premier.ticketsforfun.com.br/shows/show.aspx?sh=pdv
São Paulo
24 (quarta) e 27 de fevereiro (sábado), às 21h
Estádio do Morumbi - Praça Roberto Gomes Pedrosa, 1
R$ 260 a R$ 900
Informações: www.ticketsforfun.com.br e http://premier.ticketsforfun.com.br/shows/show.aspx?sh=pdv
Porto Alegre
2 de março (quarta), às 21h
Estádio Beira-Rio - Av. Padre Cacique, 891
R$ 350 a R$ 900
Informações: www.ticketsforfun.com.br e http://premier.ticketsforfun.com.br/shows/show.aspx?sh=pdv 



Fonte: Rolling Stone Brasil

terça-feira, 16 de fevereiro de 2016

Grammy: e a "Melhor Performance de Metal" vai para...

 
E o 57º Grammy Awards, realizado nesta noite de 15 de fevereiro no Staples Center em Los Angeles, já anunciou o vencedor na categoria "Best Metal Performance", onde concorriam também August Burns Red com a música "Identity" do álbum "Found In Far Away Places"; Lamb Of God com a música "512" do "VII: Sturm Und Drang"; Sevendust com "Thank You" do álbum "Kill The Flaw" e o Slipknot com a música "Custer" do álbum ".5: The Gray Chapter".

 Imagem
Mas o grande vencedor foi o Ghost com "Cirice", música do álbum "Meliora", que pode ser conferida no vídeo abaixo.
 


Fonte: Whiplash.net


segunda-feira, 15 de fevereiro de 2016

Com tributo aos Ramones, Raimundos Rock Fest será realizado em SP no dia 6 de março

 Raimundos Rock Fest - Cartaz de Divulgação
A Raimundos Rock Fest será realizada em São Paulo no dia 6 de março. O pequeno festival, encabeçado pela banda Raimundos, acontecerá no Carioca Club, casa de shows que, apesar de originalmente abrigar eventos ligados ao samba e pagode, acabou se transformando num espaço tradicional de apresentações de rock na capital paulista.

Na Raimundos Rock Fest, um dos grandes destaques do show que será feito pelo Raimundos será a execução de um tributo ao lendário e saudoso Ramones. O tributo terá duração de 30 minutos e será somado aos hits da banda brasileira.

Além dos Raimundos, os outros grupos confirmados para o evento são: Fistt, La Raza e Cadibóde.

Os ingressos de Pista para o festival tem os seguintes valores: R$ 50,00 (inteira); R$ 25,00 (meia-entrada para estudantes); R$ 30,00 (1º lote promocional mediante à doação de 1 kg de arroz); e R$ 40,00 (2º lote promocional mediante à doação de 1 kg de arroz).

Para o Camarote, o valor do ingresso é de R$ 80,00.

Quanto aos pontos de venda, nas bilheterias do Carioca Club não há cobrança de taxa de conveniência, mas só aceitam dinheiro.

Outros pontos são a Loja 255 da Galeria do Rock, a Loja Monster Music (Rua Teodoro Sampaio, 709 – São Paulo), a Loja Metal Music (Rua Álvaro de Azevedo, 159 – Santo André), além das Lojas Contem 1g dos shoppings West Plaza, Boulevard Tatuapé, Aricanduva e Santa Cruz.

Pela internet, o local de venda oficial é o site Clube do Ingresso: www.clubedoingresso.com/raimundosrockfest  


Está com saudade dos Raimundos? Então click abaixo:


Informações do Rock Reverso

domingo, 14 de fevereiro de 2016

Deftones confirma lançamento e detalhes do próximo disco

 

 “Koi No Yakan”, lançado em 2012 e cuja resenha você confere aqui, rendeu o prêmio de álbum do Ano no Golden Gods Awards da revista Revolver de 2013 e trouxe o grupo ao Brasil para shows no Rock In Rio e em São Paulo em 2015.

A primeira amostra do sucessor desse trabalho foi revelada semana passada no programa de Zane Lowe na Beats 1 Radio da Apple Music, que além de estrear a faixa “Prayers/Triangles” divulgou a capa do novo álbum, “Gore”.

“Gore” será o oitavo álbum de estúdio do Deftones e chegará ao mercado dia 08 de abril através da Warner Bros. Seu repertório é composto por 11 faixas, cujos nomes você confere abaixo:

01. Prayers/Triangles
02. Acid Hologram
03. Doomed User
04. Geometric Headdress
05. Hearts and Wires
06. Pittura Infamante
07. Xenon
08. (L)MIRL
09. Gore
10. Phantom Bride
11. Rubicon 


Fonte: Território da Musica

Destruction: divulgada arte da capa do novo álbum “Under Attack”

 
Os alemães do Destruction lançarão seu novo álbum, Under Attack, no dia 13 de maio via Nuclear Blast Records. A arte da capa foi criada pelo aclamado artista Gyula da Hungria, que trabalhou com bandas como Annihilator, Grave Digger, Stratovarius e Tankard, entre outros.

Under Attack é o sucessor de Spiritual Genocide, que foi lançado em 2012. Mais informações sobre o álbum serão divulgadas em breve.




 


Fonte: Nuclear Blast Records

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2016

Arcade Fire libera vídeo de homenagem à David Bowie

Arcade Fire libera vídeo de homenagem à David Bowie 

O nome de uma constelação e um dia oficial na cidade de Nova York foram algumas das incontáveis homenagens prestadas a David Bowie depois que o artista faleceu, em janeiro.

O Arcade Fire, com quem Bowie contribuiu duas vezes - em um show em 2005 no Fashion Rocks que se transformou no “Live EP” (cuja renda foi revertida para as vítimas do furacão Katrina em Nova Orleans) e participando nos vocais da faixa-título de “Reflektor” (2013) - também quis celebrar a vida do artista, promovendo no dia 16 de janeiro um desfile de rua batizado de “Pretty Things : A Memorial Parade for Bowie” em Nova Orleans para o qual se juntou à tradicional Preservation Hall Jazz Band.

Confira abaixo o vídeo oficial do evento, divulgado no Youtube da banda e que tem como trilha o cover de “Heroes” feito durante o desfile: 
 
 
 
Fonte: Território da Musica

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2016

Cavalera Conspiracy: comemorando 20 anos do lançamento de “Roots”

 

O Cavalera Conspiracy, que conta com os ex-Sepultura Max Cavalera (guitarra, vocal) e Igor Cavalera (bateria), comemorará os 20 anos de lançamento do álbum Roots executando-o na íntegra ao vivo durante sua próxima turnê pela América do Norte.

Max Cavalera comentou sobre: “Eu e Igor estamos planejando tocar o álbum Roots na íntegra. Tocaremos nos Estados Unidos. Torcemos para conseguir ir até a Europa para comemorar também, e trabalharemos juntos em novas faixas para um novo álbum do Cavalera Conspiracy. Desta vez, usaremos um produtor de verdade, mas ainda não decidimos qual.”

Cavalera Conspiracy (2015) na França:

Fonte: Blabbermouth

Arquivo do blog