segunda-feira, 30 de novembro de 2015

Ingressos para o Iron Maiden estão quase acabando em SP e no Rio, mas há indefinição em Fortaleza

 Iron Maiden no Brasil - Cartaz de Divulgação

A passagem que o Iron Maiden fará pelo Brasil em 2016 tem situações diferentes em relação às capitais que vão receber os shows da banda britânica. Enquanto em São Paulo e no Rio de Janeiro, os ingressos estão sendo vendidos com certa rapidez e caminham para o esgotamento, em Fortaleza, há uma grande indefinição em relação ao local e ao início do período de venda das entradas.

Conforme o site da Livepass, que comercializa os ingressos, já acabaram os ingressos para a Pista Premium, chamada de Bud Zone, para a Pista Comum e para a Cadeira Superior em São Paulo, só restando as entradas para a Cadeira Nível 1 , cujo o preço atual é de R$ 400,00 no site da empresa. No Rio, ainda há ingressos para vários setores, mas os organizadores alertam que eles estão terminando.
Em Fortaleza, o problema é a indefinição do local. Inicialmente previsto para acontecer na Arena do Centro de Formação Olímpica, o show vai mudar de local, mas as organizadoras Move Concerts e Arte Produções ainda não têm o nome do espaço, prometendo divulgá-lo em breve, assim como as informações sobre os preços dos ingressos.

A nova passagem do Iron Maiden pelo Brasil começará no Rio de Janeiro, no dia 17 de março, no HSBC Arena. A banda segue depois para Belo Horizonte, onde se apresenta no dia 19 na Esplanada do Mineirão; para Brasília, no dia 22, na Nilson Nelson Arena; para Fortaleza no dia 24; e, finalmente, para São Paulo, onde fará show no dia 26 de março, no Allianz Parque, a nova arena do Palmeiras.

A abertura dos shows serão realizadas pelo não menos importante Anthrax, lendária banda norte-americana de thrash metal, e pelo novato grupo The RavenAge, do Reino Unido.

Todos os shows fazem parte da plataforma Live Music Rocks, que, em setembro, trouxe vários shows de bandas que tocaram no Rock in Rio em outras capitais brasileiras. Exemplos interessantes foram as apresentações do Faith no More e do Slipknot, em São Paulo, que tiveram cobertura da grande mídia especializada de todo Brasil e do mundo.

Para o show do Iron Maiden no Rio de Janeiro, os preços dos ingressos para a Prista Premium estão custando R$ 590,00. Para a Pista Comum, estão sendo vendidos por R$ 320,00. Há ainda as entradas para a Cadeira Nível 1 (R$ 420,00) e para a Cadeira Nível 3 (R$ 220,00). Para o Camarote, cujo preço inicial é de R$ 530,00, o fã só poderá comprar o ingresso na bilheteria do HSBC Arena.
Quanto à apresentação em Belo Horizonte, a Pista Premium (Bud Zone) têm os preços a R$ 490,00 (Lote 1) e a R$ 530,00 (Lote 2). A Pista Comum, por sua vez, sai por R$ 250,00 (Lote 1) e R$ 270,00 (Lote 2).

Para o show em Brasília, a Pista Premium (Bud Zone) conta com os preços a R$ 460,00 (Lote 1), a R$ 480,00 (Lote 2) e a R$ 500,00 (Lote 3). A Pista Comum sai por R$ 320,00 (Lote 1). A Arquibancada custa R$ 200,00 (Lote 1).

O Iron Maiden viajará para vários países do globo para divulgar seu novo álbum “The Book Of Souls”, que chegou aos fãs em setembro. A turnê começará nos Estados Unidos em fevereiro de 2016. O novo avião que será usado para transportar o grupo é o Boeing 747-400 Jumbo Jet, que tem quase o dobro do tamanho e mais de três vezes o peso do Boeing 757 usando nas tours de 2008 a 2011.

A banda decidiu atrasar a chegada às lojas de “The Book Of Souls” para que o vocalista Bruce Dickinson, que recentemente se curou de um câncer, tivesse tempo para se recuperar o suficiente para se juntar às preparações para o lançamento do álbum.

O novo trabalho do Iron Maiden de 11 faixas e um tempo total de 92 minutos. É o primeiro disco de estúdio duplo da história da banda.

Décimo sexto álbum da carreira dos ingleses, “The Book Of Souls” sucedeu “The Final Frontier”, de 2010, que teve a turnê de divulgação passando pelo Brasil em 2011. 



Informações do Roque Reverso

Thom Yorke discoteca em protesto contra o aquecimento global

Thom Yorke

Músico deve comparecer nos próximos dias a Paris, onde acontece a conferência da ONU sobre o tema 
Thom Yorke atuou como DJ durante um protesto realizado nesse domingo, 29, em Londres, na véspera da abertura da Conferência das Nações Unidas sobre Mudança Climática (a COP-21), em Paris. A manifestação tinha como objetivo chamar atenção para o grave problema ambiental.


Com batidas eletrônicas, o integrante do Radiohead comandou o som do alto de um carro alegórico do Greenpeace, seguido por milhares de manifestantes que pediam medidas efetivas dos líderes mundiais contra a degradação da natureza. Marchas similares também tomaram as ruas de Paris, Madrid e Roma, reunindo um número estimado de 50 mil pessoas.


Entre 30 de novembro e 11 de dezembro, as atenções do mundo estarão voltadas para a capital francesa, onde chefes de estado de todo planeta assinarão um novo acordo por metas para reduzir a emissão de gás carbônico na atmosfera.

Yorke faz parte de um grupo de artistas que assinou uma petição exigindo “um comprometimento mais ambicioso para a ação climática começando agora, limitando o aquecimento global a menos de 2° Celsius em relação a níveis pré-Revolução Industrial.”

“Estamos profundamente preocupados que nossa economia global e sistemas industriais estejam acelerando taxas de extinção, desertificação e exaustão do solo, degradação de ecossistemas, acidificação e poluição de nossos rios e oceanos, resultando em um persistente crescimento de emissão de gases do efeito estufa e levando a mudanças climáticas irreversíveis”, diz o comunicado.

Yorke, Patti Smith, Flea, do Red Hot Chili Peppers, Dhani Harrison, filho de George Harrison, e outros se apresentarão em Paris, no Le Trianon, dia 4 de dezembro, como parte do Pathway to Paris, um espetáculo pela conscientização por iniciativas pela preservação climática no planeta.

O músico do Radiohead ainda se uniu a Paul McCartney, Jon Bon Jovi, Sheryl Crow, Fergie, Colbie Caillat, entre outros, para a gravação de "Love Song to the Earth". Segundo o site oficial da música, “A cada vez que a faixa é comprada, ouvida ou compartilhada, o valor arrecadado vai diretamente para a Friends of the Earth para combater o uso de combustíveis fósseis, diminuir a emissão de gás carbônico e para o trabalho da ONU pela mudança climática”.

Veja o clipe de "Love Song to the Earth":





Informações do Rolling Stone Brasil


 

Tony Iommi tem uma porção de riffs que não vão virar músicas do Black Sabbath

 
Tony Iommi, em São Paulo, em 2013.


O Black Sabbath decidiu não lançar um novo disco. Mas antes disso, o grupo teve uma proveitosa sessão de composição, contou o guitarrista Tony Iommi em entrevista à Q Magazine.

Segundo o músico, ele compôs uma série de riffs, mas os demais integrantes, especialmente o baixista Geezer Butler, não demonstrou interesse em gravar um novo álbum. Não se sabe o que será feito desse material.

Além desse material bruto, a banda tem algumas canções prontas: durante as sessões de gravação do disco "13", o Black Sabbath compôs 16 músicas, mas apenas 12 entraram no disco. Esse material extra deve ser lançado em breve, mas não necessariamente na forma de uma novo disco.

Atualmente, o Black Sabbath se concentra na turnê de despedida, chamada "The End", que será retomada no próximo dia 20 de janeiro, com show em Omaha (Nebraska, EUA). A banda tem shows agendados até o final de agosto de 2016.


Fonte: Território da Musica

quinta-feira, 26 de novembro de 2015

Black Friday na Antro tem todo dia!

VENHA DE SEGUNDA A SEXTA E CONFIRA OS MELHORES DESCONTOS DE TERESINA. CAMISAS DE MARCAS VARIADAS E ESTILOS, BERMUDAS JEANS E ESPORTIVAS, CALÇAS, MATERIAL PARA TATUAGENS, ÓCULOS, PULSEIRAS, COLARES, BRACELETES, BONÉS, CAMISAS DE BANDAS DE ROCK E BASQUETE, ARTIGOS PARA SEU SKATE E TAMBÉM MONTADOS E MUITO MAIS. VENHA PRA ANTRO DE SEGUNDA A SÁBADO E AQUI TEM BLACK FRIDAY DIRETO!















Bom show de Morrissey em SP deixou hits dos Smiths de lado e foi presente a verdadeiro fã do cantor

Morrissey em SP - Foto: Divulgação Time For Fun/MRossi 

Morrissey se apresentou no Citibank Hall no sábado, dia 21 de novembro, em São Paulo, e fez um show de qualidade. A despeito de deixar de lado grandes hits históricos de seu antigo grupo The Smiths, o cantor britânico mostrou que continua esbanjando qualidade nos vocais. Para um ótimo público na casa de shows paulistana, ele presentou o verdadeiro fã de sua carreira solo.

A apresentação no Citibank Hall foi a segunda em solo paulistano na mesma semana, já que ele havia feito um show mais intimista no Teatro Renault, na terça-feira, 17 de novembro.
Enquanto o Citibank foi reservado pelos organizadores para uma capacidade de 7.064 pessoas, o teatro foi escolhido pela produção para um evento com 1.565 lugares.

Com o retorno ao Brasil, com apresentações previstas também no Rio de Janeiro e Brasília nesta turnê, o eterno vocalista dos Smiths saldou uma dívida com o País, já que havia cancelado uma tour por aqui em 2013 por causa de problemas de saúde. Após o lançamento de seu mais recente disco, o bom “World Peace Is None of Your Business”, Morrissey deixou uma legião de fãs preocupada com a revelação do diagnóstico de um câncer.

Recuperado, ele mostrou que ainda tem condições de cantar dignamente. Com sua já conhecida e elogiada banda, deixou claro que não precisa se aproveitar do passado dos Smiths para conduzir sua carreira.
O show

A apresentação estava agendada para começar às 22 horas, mas Morrissey começou a tocar apenas às 22h30. Não houve atraso do britânico, apenas a meia hora de diferença foi usada pelo músico como uma espécie de preparativo, com um longo vídeo num telão central improvisado que ficava à frente do palco. Na película, vários artistas, muitos deles com influência na formação musical do cantor.

O recurso já havia sido adotado na turnê de 2012 pela América do Sul, quando o Roque Reverso não fez a cobertura do show em São Paulo, mas teve o prazer de estar presente na apresentação que Morrissey fez em Buenos Aires, na Argentina.

Ramones, Tina e Ike Turner e o The New York Dolls foram só alguns dos astros que apareceram no telão. Foi nítida, entretanto, a falta de paciência do público com o tempo de duração do vídeo no Citibank Hall, até com certa razão, pois realmente foi cansativo.

Passado o longo vídeo, foi a vez de Morrissey iniciar a apresentação com nada menos que “Suedehead”, de seu primeiro álbum solo, “Viva Hate”, de 1988. Com a exceção da quantidade inacreditável de smartphones que tentavam captar este início do show, a execução da música foi perfeita.

A despeito dos aparelhos de telefone móvel até atrapalharem a visão de alguns, foi simplesmente emocionante para os fãs das antigas, que devem ter lembrado das boas baladas que embalaram os Anos 80. Vale lembrar que, na turnê de 2012, o cantor não havia incluído esta música obrigatória no set list das apresentações feitas em São Paulo, no Rio e em Belo Horizonte, tampouco em Buenos Aires.

Antes de cantar, Morrissey já havia dito que “seria do público” naquela noite. E foi realmente isso que aconteceu. Decepções à parte de quem queria ver um show dos Smiths, não há dúvida que o artista se entregou ao seus fãs com uma boa apresentação.

Vale destacar que os telões laterais do Citibank Hall não foram usados, o que chegou a gerar algumas reclamações de quem estava na Pista Comum.

“Alma Matters”, do álbum “Maladjusted”, de 1997, manteve o ambiente animado, assim como “You Have Killed Me”, do disco “Ringleader of the Tormentors”, de 2006. Note que, nas três músicas iniciais, Morrissey deu um salto de praticamente três décadas e, com isso, satisfez os fãs de diversas idades presentes. Havia um grupo maior de pessoas que viveram os Anos 80 e 90 no Citibank Hall, mas não eram poucas as pessoas com pouco mais de 20 anos de idade que estavam na casa paulistana, o que indica que o público do astro inglês está também se renovando.

Do disco mais recente, “World Peace Is None of Your Business”, foram apresentadas ao vivo pela primeira vez no Brasil a faixa-título e as músicas “Staircase at the University”, “Istanbul”, “One of Our Own”, “The Bullfighter Dies”, “I’m Not a Man”, “Smiler With Knife”, “Kick the Bride Down the Aisle” e “Kiss Me a Lot”. Nada mal para quem queria promover o disco.

“Kiss Me a Lot”, por sinal, é daquelas que o fã sai assobiando do show e, se não tomar cuidado, fica com a música na cabeça a semana inteira.

Morrissey em SP - Foto: Divulgação Time For Fun/MRossiMorrissey em SP - Foto: Divulgação Time For Fun/MRossiMorrissey em SP - Foto: Divulgação Time For Fun/MRossiMorrissey em SP - Foto: Divulgação Time For Fun/MRossi

O detalhe é que tinha muita gente no show que queria muito ver os hits grandiosos dos Smiths. No show do Teatro Renault, Morrissey chegou a tocar algumas poucas pérolas, como “This Charming Man” e “How Soon Is Now?”. Mas, no Citibank Hall, nada de grandes clássicos da antiga banda.

Três dias depois do show, o debate que começou durante o show entre quem queria ouvir Smiths e quem aceitou a postura de Morrissey no sábado continuava nas redes sociais de fãs do artista. No fundo, os dois lados têm certa razão, pois não há como negar que o cantor ganhou exposição com a clássica banda dos Anos 80, mas também, em contrapartida, não pode ser refém de seu passado.

Da banda britânica, foram três no Citibank Hall: “Meat Is Murder”, “What She Said” e “The Queen Is Dead”.

Em “Meat is Murder”, Morrissey manteve a tradição de seu discurso contra a carne de animais sacrificados para alimentar o homem. No telão, várias imagens fortes de aves, bovinos, suínos e outros bichos sendo mortos realmente com o intuito de chocar a plateia.

Não bastasse tudo isso, letras garrafais no mesmo telão foram expostas com a mensagem: “Qual é a sua desculpa agora? Carne é assassinato.”

Em “What She Said”, talvez, sem várias pessoas perceberem, Morrissey pode ter dado o grande presente do Smiths da noite. A música do disco “Meat Is Murder” chegou a surpreender alguns por não ser algo constante em passagens anteriores do músico pelo Brasil.

“The Queen Is Dead” foi a última música do show já no bis e serve para aumentar a contagem. Mas que não seria nada mal cantar, por exemplo, “There Is A Light That Never Goes Out” ou “How Soon Is Now?”, que estiveram no set lista da turnê anterior, isso é totalmente verdade.

Durante a apresentação, não faltou a também obrigatória “Everyday Is Like Sunday”, que contou com uma roupagem um pouco diferente. O cantor inglês também não deixou de lembrar os ataques terroristas em Paris, já que, também no bis, com “I’m Throwing My Arms Around Paris”, a bandeira da França foi estampada no telão central.

Na música final, “The Queen Is Dead”, Morrissey levantou um bandeira brasileira que pegou da plateia e também chegou a tirar sua camisa, para gritos gerais do público.

Muitos podem até ter ficado decepcionados com a ausência de algo mais relevante dos Smiths. O público, no entanto, não pode reclamar de falta de qualidade e dedicação da banda. Mais do que isso, pode ter visto o último show de Morrissey em terras brasileiras, já que o cantor vive dizendo que sua saúde já não é a mesma para aguentar longas turnês.

Para relembrar o show de Morrissey em SP, o Roque Reverso descolou alguns vídeos do YouTube. Fique inicialmente com o de “Suedehead”. Depois veja os de “Alma Matters”, “Everyday Is Like Sunday” e “Kiss Me a Lot”. Para fechar, veja o de “What She Said”, filmado por nós.






Set list
Suedehead
Alma Matters
You Have Killed Me
Speedway
Ganglord
Staircase at the University
Istanbul
World Peace Is None of Your Business
One of Our Own
The Bullfighter Dies
You’ll Be Gone (Elvis Presley)
I’m Not a Man
Yes, I Am Blind
Meat Is Murder
Everyday Is Like Sunday
Smiler with Knife
Kick the Bride Down the Aisle
Kiss Me a Lot
Jack the Ripper
What She Said
I’m Throwing My Arms Around Paris
The Queen Is Dead


Fonte: Roque Reverso

segunda-feira, 23 de novembro de 2015

NATAL E FIM DE ANO SÓ NA ANTRO

ESTA PENSANDO EM COMPRAS DE NATAL E FIM DE ANO? ENTÃO ESTA PENSANDO NA ANTRO DO ROCK!








Foo Fighters lança EP gratuito; baixe agora

Músicas foram gravadas em hotel, durante a turnê

foofighterssaint 

Resolvido o enigma da contagem regressiva postada na home do site do Foo Fighters. O grupo acaba de lançar um EP com cinco faixas inéditas chamado “Saint Cecilia”, com direito a download/streaming de graça. As músicas foram gravadas no Saint Cecilia Hotel, em Austin, no Texas, nos Estados Unidos, durante a turnê do álbum mais recente deles, “Sonic Highways”, que saiu no ano passado. Em um show na cidade, em outubro, Dave Grohl chegou a falar sobre as gravações.


O lançamento do EP foi dedicado às vítimas dos atentados de Paris, em uma longa carta postada no site oficial, assinada por Grohl. No texto, o músico também fala sobre como foram feitas as gravações, em um hotel. Clique nesse endereço para baixar ou escutar o EP, de graça, e para ler o texto. Abaixo, a lista das faixas:

1- Saint Cecilia
2- Sean
3- Savior Breath
4- Iron Rooster
5- The Neverending Sigh 

Fonte: Rock em Geral

ESTA PENSANDO EM COMPRAS DE NATAL E FIM DE ANO? ENTÃO ESTA PENSANDO NA ANTRO DO ROCK!








Pearl Jam promete doar cachê de show em Belo Horizonte para vítimas de Mariana

“Esperamos que eles sejam punidos”, disse o vocalista Eddie Vedder sobre o desastre


Durante um show no Estádio do Mineirão, em Belo Horizonte, na sexta-feira passada, 20, o Pearl Jam declarou que pretende doar o cachê do espetáculo para as vítimas do desastre ambiental de Mariana, Minas Gerais.


No dia 5 de novembro, a barragem de Fundão, da mineradora Samarco (controlada pela Vale S.A. e pela anglo-australiana BHP Billiton), se rompeu, destruindo o distrito de Bento Rodrigues, em Mariana, além de afetar os distritos de Águas Claras, Ponte do Gama, Paracatu e Pedras e as cidades de Barra Longa e Rio Doce.


Os dejetos tóxicos de minérios de ferro prejudicaram duramente o Rio Doce e também atingiram dezenas de cidades no leste do estado mineiro e no Espírito Santo, chegando ao litoral capixaba. Oito pessoas foram mortas vítimas do desastre e 11 estão desaparecidas.

Durante o espetáculo em BH, Eddie Vedder fez questão de expressar em bom português sua indignação com o desastre ambiental e com as empresas Samarco, Vale S.A. e BHP Billiton, responsáveis pela barragem.

"Acidentes tiram vidas e destroem rios. E ainda assim eles conseguiram lucrar. Esperamos que eles sejam punidos, duramente punidos e cada vez mais punidos. Para que nunca esqueçam o triste desastre causado por eles."

Assista:


A banda, que já havia feito uma homenagem às vítimas dos atentados terroristas de Paris ao tocar "Imagine", de John Lennon, durante show em São Paulo, ainda prestou novo tributo. Eles interpretaram "I Want You So Hard", do Eagles of Death Metal, banda que tocava na casa de shows Bataclan, local no qual 89 pessoas foram mortas durante os ataques na capital francesa. 


Fonte: Rolling Stone Brasil

domingo, 22 de novembro de 2015

Lacrimosa: Hoffnung

Faltam canções realmente marcantes nesse disco mediano.

 
 
“Hoffnung” é o 12º álbum de estúdio na discografia do projeto musical criado e comandado por Tilo Wolff há 25 anos, o Lacrimosa. Este novo disco segue o mesmo direcionamento musical dos últimos trabalhos do grupo, mantendo o aspecto soturno, com orquestrações e passagens lentas e melancólicas, junto com momentos onde o grupo abraça o gothic metal. Estilo este que, aliás, há pelo menos 15 anos se faz presente nas composições da banda.

Dez faixas compõem o repertório deste trabalho, sendo que as músicas deste disco parecem um pouco mais elaboradas do que as composições do disco anterior, “Revolution”, ainda que seja um material bastante parecido.

A longa “Mondfeuer” abre o disco com uma orquestração bela e delicada, com diferentes passagens que retornam ao marcante tema inicial. Em alguns momentos temos quase o silêncio, mas então entram guitarra, baixo e bateria e a vertente gothic metal do som do Lacrimosa começa a criar forma. Sobre tudo isso, a voz inconfundível de Tilo Wolff, sempre carregada de uma interpretação emotiva.

Logo na segunda faixa, “Kaleidoskop”, temos a bela voz de Anne Nurmi, a parceira musical de Wolff que o acompanha no Lacrimosa desde 1994. Ainda bastante orquestrada, essa música traz um pouco mais de peso e é como se refletisse os dois aspectos musicais da banda, com Anne apresentando um lado mais limpo e calmo, enquanto Wolff carrega num vocal mais forte.

Além disso, a música serve também como ligação com a faixa seguinte, “Unterwelt”, essa sim deve agradar aos fãs que preferem os momentos de flerte do Lacrimosa com o metal. Um riff simples de guitarra e um baixo marcante, um refrão com teclado bastante presente e a energia da canção fazem com que esta seja, provavelmente, uma ótima faixa para mostrar aos fãs um pouco deste material ao vivo.

A alternância entre reminiscências dos tempos de darkwave quase minimalista e os flertes com o gothic metal permeiam todo o disco, às vezes na mesma música. E isso já é algo bem conhecido e assimilado pelos fãs. Por isso mesmo, não é mais novidade, como foi na época de discos como “Elodia” ou “Fassade”.

Porém, ao ouvir o disco parece que falta uma canção que realmente seja marcante, aquela que faz você voltar e ouvir novamente. Não tem nada como “Der Morgen danach”, “Lichtgestalt”, “Stolzes Herz”, “Crucifixio” ou “Ich Bin der Brennende Komet”. Por mais que “Hoffnung” traga mais uma vez belas composições e o mesmo clima que fez do Lacrimosa um dos pilares do som gótico desde os anos 90, o disco parece apenas mediano e isso é pouco para o talento de Tilo Wolff e Anne Nurmi. 
 
 
01. Mondfeuer
02. Kaleidoskop
03. Unterwelt
04. Die Unbekannte Farbe
05. Der Kelch Der Hoffnung
06. Thunder And Lightning
07. Tränen Der Liebe
08. Der Freie Fall - Apeiron, Part 1
09. Keiner Schatten Mehr
10. Apeiron - Der Freie Fall, Part 2 

Lacrimosa -  Kaleidoskop

 
Fonte: Território da Musica


SEJA UM HARDCORE!

 

Paris: será que terroristas escolheram show de rock de propósito?


Imagem
As imagens  são assustadoras por serem corriqueiras. Elas foram registradas e publicadas pelo celular de Tuesday Cross, namorada de Jesse Hughes, um dos guitarristas da banda norte-americana Eagles of Death Metal. Tuesday faz uma cobertura informal dos shows da banda de seu namorado usando o aplicativo Periscope, que permite que os registros sejam transmitidos ao vivo, e circula por diferentes pontos da casa de show, enquanto conseguimos ver e ouvir o grupo apresentando-se e saudando o público com frases clichês de banda de rock.
Escolhi o cover de Duran Duran para não chocar mais as pessoas– “Save a Prayer
A sensação de angústia ganha contornos mórbidos quando uma série de curiosidades e detalhes comuns são colocados à luz da carnificina(...) A ironia vai além com os gritos de saudação ao rock e à noite que ouvimos vindo do palco para o público e termina com uma versão para uma música do grupo Duran Duran – “Save a Prayer”, cujo refrão fala em lembrar-se de rezar por alguém na manhã seguinte. É tudo irônico mas tornou-se tétrico após o acontecimento fatal.

Não duvide que os terroristas tenham escolhido este show de propósito – ao atacar a apresentação de uma banda que se batiza com um nome desses, ainda mais numa sexta-feira 13, os assassinos reforçam os clichês de como os muçulmanos veem a cultura ocidental. Uma cultura que, querem nos fazer acreditar, cultua o pecado e a heresia.
Leia o texto completo no link abaixo.




Com informações: Whiplash_Net

sexta-feira, 20 de novembro de 2015

Coldplay volta ao Brasil em abril para shows em duas capitais

Ingressos começam a ser vendidos já no início de dezembro, mês em que o grupo lança o álbum “A Head Full Of Dreams”. Foto: Divulgação.

 

O Coldplay volta o Brasil em abril, para duas apresentações. O grupo vai tocar em São Paulo, no dia 7, na Allianz Parque, e no Rio de Janeiro, no dia 10, no Estádio do Maracanã.

As apresentações fazem parte da turnê “A Head Full Of Dreams” na América Latina e Europa, com 20 shows de estádio confirmados em 14 países europeus e latino-americanos.

Os ingressos custam entre R$ 680 e R$ 100, dependendo da cidade e do setor de cada estádio, e as vendas começam já no dia 10 de dezembro, a partir da 0h01min no site www.ticketsforfun.com.br, e a partir das 10h nas bilheterias oficiais (sem taxa de conveniência, em São Paulo no Citibank Hall, e no Rio de Janeiro no Metropolitan), além de diversos pontos de vendas espalhados pelo país; veja o serviço completo no final do texto.

“A Head Full Of Dreams” é o novo álbum do Coldplay, e será lançado no dia 4 de dezembro. Trata-se de uma espécie de continuação do último álbum, “Ghost Stories”, o sexto trabalho consecutivo da banda a chegar entre os primeiros nas paradas de todo o mundo.

Uma das músicas desse novo trabalho, “Adventure Of A Lifetime”, já é conhecida, bem como a imagem da capa e a lista das faixas. Clique aqui para saber os detalhes de “A Head Full Of Dreams”, e veja abaixo o serviço completo dos shows de abril de 2016:

São Paulo
Allianz Parque: Rua Turiassú, 1840 - Perdizes
Dia 7/4/2016, quinta, 21h
Preços: R$ 680 (Pista Premium Verde), R$ 680 (Pista Premium Branca), R$ 360 (Pista), R$ 440 (Cadeira Inferior) ou R$ 240 (Cadeira Superior)
Informações e vendas: www.ticketsforfun.com.br
Bilheteria Oficial:
Citibank Hall: Av. das Nações Unidas, 17.955 - Santo Amaro – São Paulo, diariamente, das 12h às 20h. Excepcionalmente, no dia 10/12/15 o funcionamento será das 10h às 18h
Pontos de venda: http://premier.ticketsforfun.com.br/shows/show.aspx?sh=pdv
Início das vendas: O público em geral poderá adquirir ingressos a partir de 10/12, a partir da 0h01 pela internet, e a partir das 10h nos pontos de vendas físicos.
Haverá pré-venda de fã clube por meio de link exclusivo e código de compra no site da Tickets for Fun. Das 10h às 22h do dia 09 de dezembro de 2015. Limitada a 4 ingressos por CPF e com taxa de conveniência.

Rio de Janeiro
Estádio do Maracanã: Rua Professor Eurico Rabelo, Maracanã,
Dia 10/4/2016, domingo, 21h
Preços: R$ 680 (Pista Premium Verde), R$ 680 (Pista Premium Branca), R$ 560 (Cadeira Maracanã Mais), R$ 520 (Cadeira Maracanã Mais Leste), R$ 450 (Cadeira Inferior Leste), R$ 450 (Cadeira Inferior Oeste), R$ 380 (Cadeira Superior Leste), R$ 360 (Pista), R$ 240 (Cadeira Inferior Sul), R$ 200 (Cadeira Superior 2 Sul) ou R$ 200 (Cadeira Supereior Nível 5)
Informações e vendas: www.ticketsforfun.com.br
Bilheteria Oficial:
Metropolitan: Av. Ayrton Senna, 3000 - Shopping Via Parque - Barra da Tijuca, diariamente, das 12h às 20h. Excepcionalmente, no dia 1/12/15 o funcionamento será das 10h às 18h
Pontos de venda: http://premier.ticketsforfun.com.br/shows/show.aspx?sh=pdv
Início das vendas: O público em geral poderá adquirir ingressos a partir de 10/12, a partir da 0h01 pela internet, e a partir das 10h nos pontos de vendas físicos.

Haverá pré-venda de fã clube por meio de link exclusivo e código de compra no site da Tickets for Fun. Das 10h às 22h do dia 09 de dezembro de 2015. Limitada a 4 ingressos por CPF e com taxa de conveniência. 

Fonte: Rock em Geral



David Bowie lança clipe de 10 minutos de faixa do novo álbum previsto para janeiro

 Reprodução da capa de "Blackstar"
David Bowie está de volta e já chegou, para variar, em grande estilo. Nesta quinta-feira, 19 de novembro, o cantor britânico lançou o clipe da música “Blackstar”, a primeira faixa do álbum novo que chegará aos fãs no começo de 2016.

O vídeo tem nada menos que 10 minutos e conta com direção de sueco Johan Renck, responsável por episódios das séries “Breaking Bad” e “The Walking Dead”.

Renck também tem no currículo a direção de clipes de grupos e artistas ligados ao rock, como New Order e Chris Cornell.

O nome do álbum é um caso à parte, já que é representado por este símbolo: ★, que também é visto na capa.

Para quem faz questão de pronunciar algum nome, o sugerido é…”Blackstar”, ou seja, o mesmo nome da faixa escolhida para clipe novo.

O disco novo sucederá “The Next Day”, que foi lançado em 2014 e rompeu um hiato de trabalhos de inéditas que durava desde 2003.

A data exata do lançamento do álbum é o dia 8 de janeiro de 2016, quando Bowie completará 69 anos. Já está acontecendo, no entanto, a pré-venda do disco no iTunes e no site da Amazon. A data oficial de lançamento da faixa “Blackstar” como single é o dia 20 de novembro.

Veja abaixo o novo clipe de David Bowie:


Fonte: Rock Reverso

quinta-feira, 19 de novembro de 2015

Megadeth: mudança de mês, primeira data e local de show, diz jornalista

Imagem

De acordo com o jornalista José Norberto Flesch, do jornal Destak, o Megadeth, que faria uma turnê pelo Brasil em maio, primeira no país a contar com o guitarrista Kiko Loureiro, adiou o giro para o mês de agosto, mas já tem uma data confirmada: dia 6 de agosto em Fortaleza.


Fonte: Whiplash.Net



Arquivo do blog