sábado, 3 de outubro de 2015

Rock In Rio: Placar Rock em Geral


Slipknot, Lamb Of God e Ministry encabeçam a lista de melhores da edição 2015; veja as notas e leia as resenhas. Fotos Divulgação Rock In Rio/I Hate Flash: Ariel Martini (1 e 3) e Victor Nomoto (2). Montagem: Rock em Geral.

placarrir15 

Depois de praticamente um mês de idas e vindas envolvendo o Rock In Rio, horas e mais horas em frente a palcos de todos os gêneros e tendências e escrevendo mais que novelista da Globo em semana de capítulo final, eis que é chegada a hora de encerrar a cobertura sentando a caneta e dando nota para cada um dos shows.

Sem medo de ser feliz, Slipknot, Ministry e Lamb Of God dividem o posto de melhor show do festival, com bons repertórios, qualidade de som inquestionável e performances, cada um à sua maneira, contagiantes e bem repercutidas com os respectivos públicos. O “troféu” só não é dividido por quatro porque o som pifou durante o show do Metallica, e o System Of A Down precisa se renovar; vida que segue.

Não fizeram feio o Queens Of The Stone Age, cujo pecado é o disco mais recente não ser tão bom; o Queen com o ótimo Adam Lambert, mas nota 10 só com Freddie Mercury; Steve Vai, cujo espetáculo com orquestra se sairá melhor em um lugar fechado; e o renovado Mastodon, que enfatizou a nova fase. Num terceiro grupo um salve para a revelação Halestorm e para Korn e Deftones, cada qual reencontrando um caminha de uma maneira.

Entre os brasileiros, quem matou a pau foi o Paralamas do Sucesso, com o show certo no lugar certo para as pessoas certas, e a revelação Dônica, que ainda tem muito a mostrar.

Ao todo, assistimos a 32 shows inteiros, sendo que 29 foram resenhados, três a mais que a edição de 2013; clique nos títulos entre parênteses para ler cada uma. Veja a avaliação abaixo, com as bandas elencadas na ordem em que tocaram no festival:

Dônica + Arthur Verocai: 7 (Com guitarra)
Ira! + Rapin Hood + Tony Tornado: 6 (Furacão)
Especial Rock In Rio 30 anos: 6 (Começou nostálgico)
Homenagem a Cassia Eller: 6
Queen + Adam Lambert: 9 (Bem-acolhido)
Noturnall + Michael Kiske: 6 (Circo montado)
Angra + Dee Snider + Doro Pesch: 8 (Convidado atrevido)
Ministry + Burton C. Bell: 10 (Babélico)
Korn: 8 (Deixou passar?)
Royal Blood: 6 (Latifúndio inabitado)
Mötley Crüe: 6 (Passou da hora)
Metallica: 9 (Três não é demais)
Paralamas do Sucesso: 9 (Feitos um para o outro)
Elton John: 8 (Empatou)
Rod Stewart: 8 (Gaiato)
Halestorm: 8 (Corra, Lzzy, corra!)
Lamb of God: 10 (Rodo passado)
Deftones: 8 (Volta por cima)
Queens Of The Stone Age: 9 (Filho crescido)
Hollywood Vampires: 7 (Ação entre amigos)
System Of A Down: 9 (Mais do mesmo, mas é bom)
Moonspell + Derrick Green: 7 (Pra voltar)
Nightwish + Tony Kakko: 7 (Atípico)
Steve Vai + Camerata Florianópolis: 9 (Ato singular)
Mastodon: 9 (Concisão cirúrgica)
Faith No More: 5 (Afetado)
Slipknot: 10 (Monstro restaurado)
Erasmo Carlos + Ultraje a Rigor: 7 (Praia invadida)
Brothers of Brazil + Glen Matlock: 7 (Inusitado é apelido)
Autoramas: 6
Aurea + Boss AC: 7
A-ha: 7 (Contido)


Fonte: Rock em Geral

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Arquivo do blog