quinta-feira, 10 de setembro de 2015

P.O.D.: The Awakening


Banda regride e se perde em meio ao próprio caos das canções.
 
As baquetas, rígidas e sincopadas, batem de forma agressiva porém controlada, na caixa da bateria que acompanha de forma competitiva e brutal uma voz, que de forma eloquente e discursiva, conversa com os ouvintes enquanto sirenes policiais ecoam em meio a um caos urbano incessante. Este é o primeiro minuto de “The Awakening”.

O disco é o décimo da carreira da banda norte-americana P.O.D (Payable on Death) e apresenta uma proposta totalmente diferente de “SoCal Sessions”, de 2014, que trazia uma diversidade de ritmos e uma criatividade bem maior, principalmente por se tratar de uma obra acústica, fato que a torna sistematicamente incomparável na carreira do grupo.

A descrição do primeiro parágrafo é para a faixa que abre o disco, “Am I Awake”, e que vem aos sentidos como uma pergunta, questionando e incutindo de forma pausada e intercalada entre a pesada melodia, algumas mensagens que fazem parte da massa informativa e sonora que chega aos ouvidos dos moradores dos centros urbanos diariamente (sirenes, vozes, gritos, multidões dessincronizas).

Esta é uma técnica de produção e de composição extremamente arriscada pelo fato de tornar a música menos digerível e palatável, tornando o processo de assimilação das melodias, e a mensagem que ela traz, maçante e não muito bem-vindo.
  


Apesar de ser um recurso válido, foi explorado em excesso pela banda, fazendo com que algumas faixas como “Rise of NWO”, “Somebody’s Trying to Kill Me” e “Speed Demon” fossem mais um espaço para uma conversa cheia de sonoplastias e efeitos, perdendo muito potencial melódico e harmônico que ainda poderia ser aproveitado. De um total de dez faixas, seis possuem esse recurso em algum momento da canção, seja no começo, meio ou fim.

No mais, vale o destaque do álbum para o Metal leve e com um pé inteiro no Pop de “This Goes Out To You”, o Jazz disfarçado de balada em “Want it All” e o Punk Rock expressivo de “Revolución”.

Todas estas faixas, somadas as diversas sonoridades subsequentes nas canções, mostram o tamanho do repertório e a qualidade técnica e criativa dos músicos do grupo, porém falta direcionamento aos rapazes que se perdem em sua diversidade e nos elementos externos às canções, fazendo deste um trabalho difícil e confuso.
 
 PLAYLIST:
01. Am I Awake
02. This Goes Out To You
03. Rise of NWO
04. Criminal Conversations
05. Somebody’s Trying to Kill Me
06. Get Down
07. Speed Demon
08. Want It All
09. Revolución
10. The Awakening 



Fonte: Território da Musica

Um comentário:

  1. Amigo, acho que você não entendeu o album, é um album conceitual, com uma narrativa.

    Esses efeitos que você disse que foi usado em exagero, é a histoia por tras das canções. Excelente algum.

    ResponderExcluir

Arquivo do blog