sexta-feira, 31 de julho de 2015

DIA DOS PAIS É COM À ANTRO

Está chegando o dia dos pais!...E à loja ANTRO esta te esperando para você comprar o presente ideal para o papai "radical". Tem de para o papai, desde o clássico até o mais underground!
VEJA ABAIXO ALGUMA SUGESTÕES:





















ANTRO DO ROCK
RUA BARROSO 505 - C/N
FONE (86) 3222 8073

quinta-feira, 30 de julho de 2015

Guns N’ Roses: guitarrista DJ Ashba anuncia sua saída do grupo


O guitarrista DJ Ashba anunciou hoje (27/jul) que não faz mais parte do Guns N’ Roses. O músico entrou na banda de Axl Rose em 2009, após a saída de Robin Finck.

Confira abaixo um trecho do comunicado publicado em suas redes sociais:

“[...] Desde a primeira vez que entrei no palco e comecei a tocar Welcome To The Jungle e vi a plateia entrar em erupção, eu sabia que a minha vida nunca mais seria a mesma. Não vou mentir... Estava morrendo de medo! Mas vocês sempre me aceitaram. Imediatamente meu medo virou orgulho. Por isso, sou extremamente grato.

Então agora é com o coração pesado e muito orgulho que anuncio que decidi fechar este capítulo da minha vida e guardar todos os ótimos momentos que tive com o Guns N’ Roses como boas lembranças. Cheguei em um ponto da minha vida que sinto que devo dedicar meu tempo à minha outra banda Sixx A.M., minha adorável esposa e família, e a diversas aventuras que me aguardam no futuro.”



Fonte: Facebook DJ Ashba

terça-feira, 28 de julho de 2015

COLEÇÃO DE ÓCULOS SPY EM PROMOÇÃO NA ANTRO

São diversos modelos descolados e modernos da SPY para você aproveitar nas ferias ou ainda presentear seu pai. Só à ANTRO faz promoções com produtos originais e de qualidade para seus clientes. Então visite-nos hoje mesmo!
 






Este é João Filho e ele te aguada usando um SPY para você levar o seu!
ANTRO DO ROCK
RUA BARROSO 505 - C/N
FONE (86) 3222 8073
TERESINA - PIAUÍ

segunda-feira, 27 de julho de 2015

Entrevista: Philip Selway comenta o próximo disco do Radiohead

Philip Selway

“Espero que não demore mais 20 anos”, diz o baterista sobre um possível show da banda no Brasil 
 
Philip Selway é um cara legal. Sereno, tranquilo e gentil, não se assemelha nem um pouco ao estereótipo do astro do rock. Difícil dizer só de olhar para ele que o inglês de 48 anos é, há quase 30, o baterista de uma das maiores bandas do mundo: o Radiohead.


Se a banda principal dispensa apresentações, talvez pouca gente conheça o trabalho solo de Selway. Multi-instrumentista, ele lançou o primeiro disco, Familial, em 2010. Ano passado deu sequência à aventura com o ótimo Weatherhouse. “Eu reconheci que havia algo muito particular no meu trabalho, uma voz lírica própria. Fora da banda, do Radiohead, é onde você pode tentar coisas. Porque a gente cobre um grande terreno musical, mas você não pode fazer qualquer coisa naquele contexto. Então, para nós, fazer coisas fora do Radiohead é a nossa oportunidade de mergulhar nesses experimentos”, explica o músico em entrevista para a Rolling Stone Brasil. “As duas coisas são muito importantes para mim. E é algo bom quando você está sozinho, se reflete no que fazemos como banda”, completa, ressaltando que todos os membros do quinteto inglês têm trabalhos paralelos.


A decisão de se lançar na carreira solo partiu da quantidade de material acumulado que o músico possuía. Liderar o próprio grupo, no entanto, não foi uma tarefa simples e ele admite que a autoconfiança aumentou exponencialmente na gravação de Weatherhouse: “Da primeira vez eu não conseguia enxergar o processo como um todo”.

Se em Familial formavam a banda de estúdio instrumentistas como Lisa Germano (musicista que já trabalhou com David Bowie e Iggy Pop), Glenn Kotche (Wilco) e Sebastian Steinberg (que integrou o Soul Coughing) – um time dos sonhos, segundo o próprio Selway -, no segundo disco ele resolveu apostar em Adam Ilham e Quinta, músicos que o acompanham nas apresentações ao vivo e conhecem todo seu repertório.

“Havia uma afinidade musical entre nós três, então tinha uma boa dinâmica e grandes possibilidades sobre o que podíamos fazer. Quando fomos fazer Weatherhouse, queríamos nos sentir como uma banda tocando ali. Nós gravamos muitos instrumentos e tínhamos um bom estúdio para trabalhar, tínhamos o estúdio do Radiohead, e tudo foi andando dessa maneira. Então, eu tinha a confiança, mas nós também tínhamos relações musicais sólidas e toda aquela animação para ver onde aquilo ia nos levar”, declara sobre os parceiros de produção.


Radiohead

Selway se mostra dividido sobre a influência da sua banda principal na percepção do público quanto ao seu
trabalho sozinho: “Acho que sou sortudo, porque as pessoas vão ouvir o que eu fizer por causa do Radiohead, mas é complicado porque demora um tempo até elas entenderem o trabalho por si só, fora do contexto do material da banda. Nesse segundo disco eu estava mais pronto a abraçar meu ‘eu-do-Radiohead’, isso é até mais perceptível”, acrescenta no seu costumeiro tom calmo de voz.

Sempre à frente do seu tempo, dentro e fora de estúdio, o Radiohead foi um dos primeiros grandes grupos a entender a nova dinâmica da indústria musical na era da internet. Se em 2007 a banda lançou de forma independente o lendário In Rainbows, que as pessoas podiam adquirir por download pagando o preço que quisessem, no ano passado o vocalista Thom Yorke resolveu vender seu disco solo por Torrent. Selway aprova: “Acho que foi ótimo o jeito que ele lançou o Tomorrow’s Modern Boxes e eu fico feliz que ele tenha feito dessa maneira. Há um esforço constante para arranjar uma solução em que os artistas consigam se sustentar”. A estratégia de Yorke deu certo e o álbum teve mais de um milhão de cópias comercializadas no formato inovador.

Quando questionado sobre o modelo de distribuição do novo disco do grupo, Selway se esquiva: “Precisamos primeiro ter um disco para depois resolver como vamos vendê-lo”, ri. “Mas nós já estamos trabalhando nele, certamente. Estamos de novo curtindo fazer músicas juntos e estamos aproveitando todo o processo”.
O trabalho mais recente do quinteto, King of Limbs (2011), não agradou a todo mundo. De orientação eletrônica, deu pouco espaço às poderosas guitarras do grupo ao optar por uma construção melódica baseada em sequências digitais programadas e loopings. Se o próximo disco seguirá a mesma linha? “Ainda não tenho como dizer, trabalhamos sempre nas coisas que nos empolgam. Nem vale muito a pena comentar, porque às vezes estamos na metade de algo e simplesmente mudamos completamente a direção”. Nem mesmo uma data de lançamento parece estar na mente dos músicos. “Nenhum de nós sabe. Não vamos nos prender a prazos. Trabalhamos muito intensamente quando trabalhamos juntos e nós vamos tomando as decisões no decorrer das coisas. É isso que guia o processo, que em algum momento será terminado”, arremata.

Essa sintonia do conjunto é a consequência e a razão pela qual o Radiohead sustenta a mesma formação de músicos desde o início da banda. “No coração disso há um respeito mútuo. Todos nós curtimos o que fazemos musicalmente nos nossos projetos paralelos e curtimos o que fazemos juntos e com o Nigel Godrich. Nós somos muito conscientes da nossa história e de que cobrimos muito terreno musicalmente, mas há uma certa sintonia musical que se adquire em quase 30 anos tocando juntos que você não quer desperdiçar”, confessa.

Show nos Brasil

O Radiohead e o Brasil têm uma relação complicada. Por anos uma das bandas mais pedidas do público, os ingleses finalmente fizeram duas apresentações no país em 2009, tocando no Rio de Janeiro e São Paulo, e tendo Kraftwerk e Los Hermanos como bandas de abertura. Selway relembra: “Foram dois shows muito intensos. Era nossa primeira vez no país como banda e, sabe, você nunca sabe se vão embarcar na sua música, então é sempre uma surpresa quando você chega a um lugar e as pessoas estão respondendo muito bem à música. E ainda estávamos tocando com o Kraftwerk, então foram duas experiências fantásticas ao mesmo tempo. Foi uma imensa, imensa sensação de alegria. Espero que não demore mais 20 anos pra voltarmos”.
Se o Radiohead não se mexer para tanto, o baterista não descarta uma vinda solo: “Eu adoraria”. 

Fonte: Rolling Stone Brasil
 

Nile: primeiro single do novo CD “What Should Not Be Unearthed” disponível

Os americanos do Nile lançarão seu novo álbum, intitulado What Should Not Be Unearthed. O trabalho foi produzido pela própria banda e mixado por Neil Kernon.

What Should Not Be Unearthed será lançado no dia 28 de agosto, via Nuclear Blast Records. A arte da capa foi feita por Michal “Xaay” Loranc.

O guitarrista e fundador Karl Sanders comentou sobre o lançamento: “Todos nós do Nile estamos felizes em anunciar nosso vindouro álbum, What Should Not Be Unearthed. Este é o nosso oitavo álbum de estúdio, e desta vez acreditamos que traremos um verdadeiro petardo aos fãs de metal.”

Confira abaixo a capa e o track listing de What Should Not Be Unearthed, além do streaming do primeiro single Call To Destruction:



01. Call To Destruction
02. Negating The Abominable Coils Of Apep
03. Liber Stellae Rubeae
04. In The Name Of Amun
05. What Should Not Be Unearthed
06. Evil To Cast Out Evil
07. Age Of Famine
08. Ushabti Reanimator
09. Rape Of The Black Earth
10. To Walk Forth From Flames Unscathed 




Fonte: Nuclear Blast Records

sexta-feira, 24 de julho de 2015

CHEGOU A COLEÇÃO DE FERIAS NA ANTRO

Acaba de chegar na Antro a coleção de ferias das marcas: CONDUTA, FREE SURF E MYLLYS. São blusas e bermudas de estampas variadas e a qualidade Antro:















ANTRO DO ROCK
RUA BARROSO - 505, CENTRO/NORTE
FONE (86) 3222 8073

Alice in Chains vai ganhar biografia em agosto

 
 Em 2013 o jornalista David de Sola anunciou em seu blog que o projeto sobre o Alice In Chains no qual estava trabalhando havia sido selecionado para publicação. A princípio a biografia seria intitulada “Touch On The Dark” e seria lançada no fim de 2014, começo de 2015.
O nome da obra acabou mudando para "Alice in Chains: The Untold Story", e sua data de lançamento, um pouco atrasada, acaba de ser revelada: já em pré-venda pela Amazon, o livro chega oficialmente ao mercado dia 04 de agosto através da Thomas Dunne Books.

David de Sola tem no currículo experiências na CNN, 60 Minutes e Reuters, onde teve trabalhos publicados em veículos como The Atlantic e The Huffington Post, entre outros. O trabalho foi baseado em uma série de entrevistas com pessoas com “conhecimento direto da banda”, como diz a descrição oficial do livro, muitas delas falando pela primeira vez.

A descrição também afirma que “de Sola explora como as drogas quase destruíram a banda e tomaram as vidas de [Layne] Staley (vocalista) e do baixista e fundador Mike Starr, a carreira solo de Jerry Cantrell e a vida de Mike Starr depois de ser demitido da banda e a ressurreição da banda com o novo vocalista William DuVall”.

Layne Staley faleceu em 05 de abril de 2002 devido a uma overdose de heroína e cocaína, e Starr em 08 março de 2011, em decorrência de uma overdose de medicamentos controlados. DuVall assumiu o posto de vocalista do Alice in chains em 2006. 



Com informações do Território da Musica

terça-feira, 21 de julho de 2015

Krisiun e Korzus: shows no Centro Cultural São Paulo no fim do mês

 

Formada há 25 anos. o Krisiun é uma das precursoras do brutal death metal mundial, somando 9 discos gravados e dezenas de turnês na Europa e nos Estados Unidos e com passagem em todos os estados brasileiros.

Alex Camargo (vocal/baixo), Moyses Kolesne (guitarra) e Max Kolesne (bateria), desta vez, apresentam uma novo progresso, mostram uma nova maneira de evolução, soando audaciosos, espontâneos, resgatando a verdadeira essência do death metal em "The Great Execution", mais novo registro fonográfico do power trio, que foi lançado no mercado europeu e norte-americano pela gravadora Century Media e, no mercado nacional, pela gravadora Laser Company. Este trabalho foi considerado um dos melhores lançamentos de 2011 pelos principais meios de comunicação especializados do Mundo.

"The Great Execution" traz 10 alucinantes faixas, que apresentam a perfeita aliança de peso, energia, velocidade e uma liberdade musical nervosa, mais uma vez renovando a já cansada fórmula de fazer metal extremo. O álbum está muito mais intenso, maduro, com músicas agressivas, riffs matadores, uma quantidade muito maior de diversidade, que vão desde variações de andamento, - e até mesmo partes de Flamenco, mas sem se esquecer da extrema brutalidade.

Dia 25 de julho
Circuito Cultural com Krisiun
Sala Adoniran Barbosa
Horário: 19 horas
Livre
Grátis
Retirar ingressos na bilheteria
Aprox. 90 minutos

Um dos principais nomes da história do metal brasileiro, formada em 1983, o Korzus conta com sete álbuns de estúdio, dois ao vivo e um DVD.

O Korzus é sem dúvida um dos principais nomes da história do metal brasileiro. Formada em 1983, e trazendo uma respeitável discografia contando seis álbuns de estúdio, dois ao vivo e um DVD, a banda conseguiu ao longo destes trinta e dois anos de atividades fazer o seu Thrash Metal ecoar pelos quatro cantos do mundo.

Um importante passo para frente foi a decisão da marca JAGERMEISTER que decidiu investir na banda e fazer Korzus a primeira JAGERBANDA do Brasil, seguindo bandas da marca no exterior como Slayer, Epica, Killswitch Engage, etc. O outro foi o contrato com a marca MEGA ENERGY.

Dia 26 de julho
Korzus
Sala Adoniran Barbosa
Horário: 18 horas
621 lugares
Livre
R$ 20,00
www.ingressorapido.com.br
Aprox. 90 minutos

Fonte: Centro Cultural São Paulo - Assessoria de Imprensa

segunda-feira, 20 de julho de 2015

Aproveito as promoções de ferias da Antro

TODOS OS PRODUTOS, SERVIÇOS E ACESSÓRIOS ESTÃO COM DESCONTOS NA ANTRO DURANTE TODO MÊS DE FERIAS!












 ANTRO DO ROCK
RUA BARROSO - 505
CENTRO/NORTE
FONE (86) 3222 8073

Arquivo do blog