segunda-feira, 17 de novembro de 2014

Cavalera Conspiracy: Pandemonium

Os irmãos estão raivosos e com uma vontade genuína de fazer som extremo.
 
Max Cavalera conta que pensou seriamente em chamar este lançamento de “Fuck That Groove”. Isso porque era essa a frase que repetia sempre que seu irmão Iggor tentava criar levadas de bateria com mais ritmo. O objetivo de Max era garantir uma sonoridade dura, direta, rápida e brutal. E conseguiu.

O terceiro e mais recente álbum do Cavalera Conspiracy acabou sendo batizado de “Pandemonium” e é um dos mais velozes e agressivos da dupla desde os tempos áureos do Sepultura. A pancadaria come solta do início ao fim, o que já é suficiente para arrancar um largo sorriso de muitos antigos fãs.

 Mesmo com a bateria propositalmente simples, ainda que avassaladora, o repertório tem lá seus truques e pausas estratégicas, com linhas de baixo pulsantes de Nate Newton e até riffs mais cadenciados, com afinação lá embaixo e solos de guitarra cheios de personalidade do velho parceiro Marc Rizzo.

Já Max apresenta uma de suas performances mais interessantes e variadas (dentro de seu estilo) em muito tempo. Uma pena John Gray, que assinou a produção, ter colocado as linhas de voz tão escondidas no meio do caos de “Pandemonium”.

É difícil mencionar destaques, mas vale citar “Bonzai Kamikazee”, “Apex Predator”, “Father Of Hate” e “Not Losing Their Edge”. Existe ainda uma versão especial com o bônus “Porra”, que começa com berimbau e vai na linha de “Roots” (1996) e “Deus Ex Machina”.

A simples união dos Cavalera já é motivo para que qualquer fã de metal queira ouvir o disco. Quando os irmãos estão raivosos e demonstram uma vontade genuína de fazer um som extremo, porém, isso se torna obrigação. Como esse é o caso de “Pandemonium”, não perca mais tempo. 
 PLAYLIST:
 01. Babylonian Pandemonium
02. Banzai Kamakazi
03. Scum
04. I, Barbarian
05. Cramunhão
06. Apex Predator
07. Insurrection
08. Not Losing the Edge
09. Father of Hate
10. The Crucible
11. Deus Ex Machina (bônus)
12. Porra (bônus) 

Fonte: Território da Musica

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Arquivo do blog