sábado, 30 de novembro de 2013

DEZEMBRO NA ANTRO

CONTINUAM AS NOVIDADE EM ARTIGOS E ACESSORIOS PARA SEU FIM DE ANO NA ANTRO DO ROCK, A LOJA DO ROCK DE TERESINA!


















(Para ver as fotos ampliadas é só clicar em cima)
VISITE-NOS!
ACEITAMOS TODOS OS CARTÕES

Killers lançará música natalina para arrecadar dinheiro para caridade e convoca Owen Wilson para o clipe

Galeria pedidos: The Killers

Banda de Las Vegas lança singles especiais de Natal há oito anos; grupo planeja parar por tempo indeterminado a partir de 2014 
O Killers pode estar prestes a entrar em mais um hiato, mas não vai deixar de manter a tradição. Há oito anos, segundo a NME, a banda de Las Vegas lança um single natalino para arrecadar dinheiro para caridade. Em 2013, não será diferente.

Brandon Flowers contou ao britânico Metro que no dia 1º de dezembro, domingo, a faixa inédita chegará às lojas, justamente na data do Dia Mundial de Combate à AIDS. “O que é legal de coincidir com este dia, então, faz sentido escrevermos canções natalinas para arrecadar dinheiro para projetos de combate à AIDS”, disse ele. “Este é o nosso oitavo ano fazendo isso, de covers a todos os tipos de canção de Natal.”

O videoclipe preparado para a música, cujo nome ainda não foi revelado, terá a participação do ator Owen Wilson, além de aparições especiais de Harry Dean Stanton e uma versão em animação de Warren Zevon. “A canção deste ano será sobre um ator que tenta se firmar em Los Angeles e perde o Natal tradicional”, disse o vocalista. “Estou muito animado com isso”.
Depois disso, segundo o baterista Ronnie Vannucci, a banda vai mesmo parar – por quanto tempo, contudo, ainda é um mistério. “Acho que será em breve. Não acho que levaremos um longo tempo para nos juntarmos. [Mas] é hora de respirar um pouco”, disse ele ao The Hollywood Reporter.
Flowers, por exepmlo, já havia anunciado que começaria a trabalhar em um novo disco solo no ano que vem, o que indicava que o Killers permaneceria adormecido por um tempo.
Antes disso, também, o grupo prepara uma nova coletânea, chamada Direct Hits. O disco terá 15 faixas, entre 13 hits de carreira (como “Mr Brightside”, “Somebody Told Me” e “When You Were Young”) e duas inéditas (ouça abaixo).
O álbum chega às lojas no dia 11 de novembro.
Ouça “Just Another Girl”

Ouça "Shot at the Night":

Com informaões da Rolling Stone Brasil
 

Guns N' Roses: o sucesso que a mídia forjou e destruiu - Parte 7

Niven: Então, basicamente [Eddie] Rosenblatt foi até [David] Geffen e disse que teríamos que renegociar o contrato, caso contrário não terminaríamos o disco, e sairíamos em turnê. E eu de fato coloquei as primeiras datas da turnê à venda para os promotores, o que mostrou a David Geffen que venderíamos muitos ingressos, muito rapidamente.


Mitch: Mas esses são shows nos EUA, certo? Porque eu me lembro de ter visto a banda em junho daquele ano com o SKID ROW e o disco ainda levaria dois meses para sair. Ou três meses…
Niven: Sim… enfim, eu fui de novo até David e disse…eventualmente, ele me telefonou e me convidou para almoçar. E infelizmente, foi no meu restaurante favorito. Ele chegou lá antes de mim, e eu me sentei à mesa com ele, e ele começou a gritar e berrar comigo, com tanta veemência, que eu juro por deus, minha cabeça ficou pranchada na horizontal atrás de mim. E ele dizia que não seria ditado, que ninguém diria a ele o que fazer, e na mesa ao lado havia uma atriz de televisão muito famosa, Jane Seymour…
Mitch: Que beleza…
Niven: E de rabo de olho, eu consigo ver essa pobre mulher encolher, encolher e encolher à medida que o ataque dele prosseguia e ficava mais alto.
Mas, enquanto estou sentado ali, e ele está gritando comigo, o que é que passa por meu cérebro? Se David está gritando comigo, nessas circunstâncias, então eu peguei ele!
Enfim, ele não comeu a comida dele, saiu batendo o pé, e me deixou sentado ali e eu voltei pro escritório e aí dois ou três dias depois, eu recebo um telefonema e os modos de David são sempre autoritários, não interessava o que você estivesse fazendo, se David ligasse, e dissesse ‘Quero você no meu escritório agora’, ele esperava que você fosse. Ele era meio taciturno, mas… o David é o David.
Então você já entendia como ele pensava, e foi uma ligação bem sucinta: ‘esteja no meu escritório agora’.
Eu penso, ‘OK’, e pego o carro e vou até a Geffen e entro no escritório dele, e lá está TODO departamento de A&R na sala, todos os executivos do setor administrativo executivo, contadores, e eles estão todos alinhados no janelão, juntos, e tem uma cadeirinha do outro lado da sala, colocada, obviamente, para mim, pra qual eles me apontam, e daí pra me enervar ainda mais, tem uma bandeja com bebidas do outro lado da sala, e David vai até ela, e do lado do seu mordomo, pergunta, ‘Alan, o que você gostaria de beber? O que eu posso te servir?’
E eu to sentado ali, pensando, ‘Que porra tá acontecendo aqui?’
E ele se vira para mim, e basicamente aquilo era uma baita cilada, e pergunta, ‘Você quer renegociar? O que você quer no contrato?’
Eu não estou lá com os advogados da banda, que os representam, e pra dizer bem a verdade, eu não passei muito tempo pensando no que eu queria no contrato, mas naquele momento em particular, eu tinha uma visão clara, e disse, ‘Bem, David, eu quero o melhor contrato que você já assinou com um artista’.
E ele ficou ali de pé, e disse, ‘Não vai acontecer, não vai acontecer’.
E eu disse, ‘É mesmo, David? E por quê?’
E eu estou ali, sentado naquela cadeirinha com toda aquela gente me olhando fixamente e perguntando ‘Por que não rola, David?’
Ele manda: ‘Por que [Don] Henley já o tem, e ele tem uma cláusula de favoritismo no dele. Ele tem o melhor contrato da Geffen, e sempre terá.’
E eu pensei por um instante e disse, ‘Bem, David, isso não é problema algum. Faremos um igual ao de Don. E toda vez que você calcular o que nos deve, eu vou pessoalmente até o banco e pegarei uma cédula de um dólar que acabou de ser impressa e a enviarei para Don.
Michael: [risos]
Mitch: Pra que ele sempre ganhe um dólar a mais…
Niven: É tudo hipotético, e Geffen ficou ali, me olhando por um tempo, e eu pensando quando é que ele ia pegar um taco de beisebol, e daí do nada, ele disse, ‘a reunião está encerrada!’, e toca todo mundo pra fora da sala, e aponta pra mim e diz, ‘Você fica’.
E todo mundo foi embora, ele olhou pra mim e disse ‘Arruma um advogado, entrem em contato, vamos renegociar, você conseguiu sua renegociação. ’
E eu saí, e no caminho da saída do prédio, eu passei pelo escritório de Rosenblatt, e ele, ‘Hey, entra aqui um minuto’, e eu fui, e ele me olhou e disse, ‘Sabe, em todos meus anos na indústria fonográfica, eu nunca vi uma cena dessas’.
Eu olhei pra ele de volta e disse, ‘Eddie, eu tampouco!’
Daí começou a renegociação… Axl tem dado a entender que foi ganancioso da minha parte. O quão burro e louco é dizer isso? A minha obrigação era maximizar a capacidade de faturamento deles! Eu fiz meu trabalho!


Michael: Sim, eu fico pensando por que ele ou qualquer outro artista não iria querer faturar tanto quanto possa, potencialmente falando? Eles não estão fazendo isso de graça.
Mitch: Certo.
Niven: Certo, e isso nos leva a ele ter peitado os outros pra forçá-los a assinar os direitos do nome da banda pra ele.
Mitch: Só pra concluir. Você saiu dessa reunião e deu retorno pra banda, seja via telefone, ou os encontrou alguns dias depois e disse a eles, qual foi a reação deles? Quero dizer, Axl fico puto, Slash perguntou, ‘Como é que você ousa?’, ou eles adoraram e te deram champanhe…
Niven: Todo mundo ficou feliz por termos conseguido a renegociação. Quem não ficaria? Vamos fazer mais dinheiro!
Mitch: Mas Axl tem se queixado desde então, aliás, nos últimos vinte anos, ele tem se queixado, qual foi a reação inicial dele? Ele ficou alegre ou disse, ‘hey, você deveria ter me ligado antes’?
Niven: Não. Por que eu deveria ligar pra Axl? O que ele teria pra contribuir a esse quadro?
Mitch: Nada, mas ele se vê…
Niven: Ele não teria nada absolutamente nada a acrescentar.
Mitch: Eu concordo, mas ele não se via como o general da coisa?
Niven: Ele estava muito feliz com o fato de estar havendo uma renegociação, e quanto às queixas dele, eu enterrei ele lá no fundo da minha mente anos atrás, e eu ainda ouço reclamando! [falando como se cantarolasse o verso ‘.. And I can still hear her complain’, de ‘Used To Love Her’]
Michael: Sei como é…
Niven: Nossa, não há nenhum senso de gratidão nele. Onde ele estava quando começamos a trabalhar juntos? Onde ele estava quando nos separamos? Se ele pelo menos tivesse a decência de dizer, ‘Olha, Niven e eu não nos dávamos lá muito bem’… eu era a única pessoa na face da terra que dizia ‘NÃO’ pra ele. Não teria havido uma turnê com o Aerosmith em 1988 se eu não tivesse forçado a barra, certo? E acreditem quando digo que não rolou nada de forçar ninguém em 1991, todo mundo queria sair em turnê naquela época. TODO MUNDO, inclusive Axl.
Isso tudo é conversa fiada, revisionista e mentirosa criada no cérebro de ‘Spaghetti Incident’ dele.

Imagem
Mitch: Temos que falar desse disco uma hora…
Imagem
Michael: É daí que vem o nome do disco?
Niven: Não, e não teve nada a ver comigo tampouco.
O fato de ele ainda estar se queixando e reclamando é simplesmente… eu simplesmente não entendo isso, quer dizer, puta que pariu, cara…
[suspira]
Abrimos a entrevista anterior com você me perguntando sobre como eu me sinto em relação à Slash… e eu te disse como me sinto sobre ele eu acho que ele tem sido notavelmente gracioso para lidar com a fama, eu acho que ele é reservado, acho que ele é uma pessoa amorosa, e eu acho que ele é um cara muito, muito legal.
Já quanto a Axl, o que me vem à mente é a declaração: ‘Aquele que não conhece a si próprio, será definido por sua fama’.
Digam-me vocês: o que é que ele defende? Além de narcisismo, poder e ego?
Mitch: Você quer que eu diga qual que é a dele? Bem… a única coisa que eu consigo pensar é que ele é um bom cantor…
Niven: Sim, ele é um bom cantor, quer dizer, em momentos sombrios, eu olhei pra ele e o vi como um Dorian Gray ao contrário… é como dizem, ‘você vai ter as feições que merece quando tiver 35 anos’, ou 40, e há fotografias dele, recentes, que atestam que ele é de fato um Dorian Gray ao contrário…

Fonte: whiplash.net

sexta-feira, 29 de novembro de 2013

ANTRO DO ROCK E O MÊS DEZEMBRO

Não param de chegar inumeras novidades na antro para você ficar descolado(a) neste natal e festas de fim de ano.
CONFIRA ALGUMAS NOVIDADES EM TODOS OS SEGUIMENTOS PARA VOCÊ E PARA  PRESENTEAR COM BOM GOSTO QUEM VOCÊ QUISER! 

(Para ampliar é só clicar na foto)
BABY LOOKS





BLUSAS VARIADAS 








SKATES,  SNOWBOARDS E SHAPES









 BONÉS












JOÃO FILHO DIZ: 
__ Isso é só o começo galera, vamos negociar!?
ACEITAMOS TODOS OS CARTÕES

Arquivo do blog